OS CAMINHOS DA INTELIGÊNCIA

Custom Search

Os caminhos da inteligência

A inteligência não depende da genética, porque usamos uma média de 10% da nossa capacidade cerebral.  O que conta é a nossa capacidade para aproveitar plenamente as possibilidades da nossa mente.  O importante é como tratamos e organizamos as informações, que nós interpretamos, nossas experiências e, mais genericamente, como nós representamos a realidade. Aqui estão algumas chaves para se tornar “mais inteligentes”

Pense por si mesmo

Não faça sua decisão com base na dos outros, e não tome por certo aquilo que é dito, ou sugerido pela mídia , a publicidade e os políticos.  Faça uso do seu livre arbítrio e seu discernimento.  Sempre pergunte a si mesmo o que você pensa, dependendo da sua visão e o que você realmente sente.  Simultaneamente, seja aberto e tolerante com outras visões e percepções. Aquele cuja mente não produz qualquer pensamento independente e não faz nada além do que é liberado é por assim dizer “sem valor”.  Funcionalmente, é um “container”.

Ouça a sua intuição

O hemisfério direito do cérebro tem capacidades intuitivas que são complementares para a inteligência do cérebro esquerdo racional.  A intuição resultante da síntese de informações que ocorre inconscientemente no lado direito do cérebro, trabalhando e analógica e intuitivamente, enquanto o lado esquerdo do cérebro trabalha em uma forma lógica e racional.  Os resumos das informações incluem todas aquelas que guardamos na nossa memória, incluindo a percepção de que não temos conhecimento consciente, mas ainda estão armazenadas pelo inconsciente. A intuição é capaz de levar em conta uma multiplicidade de elementos que não são conscientes.  Portanto, é essencial ouvir a intuição e seguir seus conselhos. Ouvir a intuição, é tentar ouvir o que nós sentimos profundamente.  Quando fazemos uma escolha, devemos tentar estar atento aos sentimentos e sensações despertadas pelas escolhas diferentes.  É uma sensação de bem-estar ou desconforto?  Leveza ou peso? Ouvir a intuição, é também estar em contato com o nosso inconsciente, porque é aí que vem a percepção intuitiva.  Para isso, devemos ser no mínimo coerente com nós mesmos e com nosso inconsciente.

Porque se nós não podemos suportar o que está lá, o inconsciente se torna totalmente inacessível para a consciência, de modo que ele não pode ver o que ele não quer assumir. Ouvir a intuição também exige um mínimo de calma interior.

SALVE ESTA MATÉRIA!

Deixe uma resposta