DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM

Pesquise na caixa abaixo.

Custom Search


SALVE ESTA MATÉRIA

carregando

O problema no desenvolvimento da aprendizagem da leitura, escrita e aritmética tem sido uma forte barreira para muitas crianças e professores. Desde a pré – escola, o fracasso escolar cria uma verdadeira segregação entre as crianças. Segundo as pesquisas, na quase totalidade dos casos, 20% da população escolar marginalizada deve-se à leitura não adquirida nas primeiras séries do Ensino Fundamental.

A leitura e escrita são habilidades que exigem da criança a atenção a aspectos da linguagem, aos quais ela não precisava dar importância, até o momento em que vai para a escola. Esta pode ser uma tarefa complexa e difícil para todas as crianças, no entanto, para algumas , as barreiras são maiores do que com as outras.
Para os pesquisadores, as crianças que apresentam dificuldades específicas no início da escolarização, provavelmente, são as que precisarão de maior atenção.

As crianças disléxicas, por exemplo, são percebidas como tendo um problema específico, que não afeta as outras. Na verdade, estas crianças, terão que desenvolver as habilidades perceptuais relacionadas ao processo visual, habilidades de estabelecer uma relação entre visão e audição, isto é oportunizar as conexões entre os dois sentidos. Outras terão que desenvolver habilidades lingüísticas, como também superar as deficiências na memória verbal que afeta inclusive a consciência gramatical, entre outras.

Portanto, a criança precisa ser investigada e compreendida em suas reais dificuldades e a partir deste princípio as intervenções podem provocar um resultado positivo e efetivo.

As pesquisas que explicam as dificuldades são vastas, porém a maioria das escolas ainda têm dificuldade em usá-las de maneira prática. É preciso derrubar o paradigma de focalizar a aprendizagem no “Método de Ensino” e sim experimentar compreender o ato de aprender, e de como funciona o pensamento das crianças, em cada fase de seu desenvolvimento.
Muitas vezes, encontram-se partes fragmentadas das teorias nas paredes das salas dos professores, funcionando apenas como “Mensagem”. É preciso observar se, ele faz parte da realidade da escola, e se todos conhecem de onde se originou.

 Para lidar com a dificuldade de leitura

1- Não force a criança a ler em voz alta. Principalmente em casa, na presença dos pais ela ficará ansiosa, assim como eles, podendo criar um clima de ansiedade e tensão;
2- Encoraje a criança a ler para o seu irmão mais novo ou outra criança menor, que provavelmente ainda não serão melhores leitores do que ele;
3- Dê lições fáceis para a criança ler em público (para crianças menores das séries anteriores), soma-se a simplicidade da lição ao entusiasmo da criança com a responsabilidade sobre o seu público, e, ela se sentirá motivada para fazer bem;
4- Estimule a criança a ler uma estória após ouvir uma fita ou assistir a um vídeo da mesma;
5- Não dê lições de leitura para casa a essa criança;
6- Encoraje-o a ler os enunciados dos exercícios em voz alta, para si mesmo várias vezes;
7- Sugira também que ela leia em voz baixa, isso a ajudará a compreender melhor a instrução e concentrar-se ( ao sussurrar ela terá a sensação de que é uma outra voz lendo para ela. Isto é formidável para melhorar a compreensão);
8- Diga à criança que você pode ajudá-la, mas, ela deverá fazer sozinha , pelo menos mais três vezes;
9- Se a criança continuar precisando de ajuda para ler um enunciado de atividade, grave-a lendo uma vez, com o auxílio de um gravador, depois a faça ouvir quantas vezes forem necessárias, até que entenda o que está sendo pedido ( é melhor ela aprender a ouvir o gravador do que depender dos pais ou da professora a todo momento);
10- Não rotule uma criança de pouco inteligente apenas porque tem dificuldade de leitura, pois, ela poderá ter outras potencialidades;
11- Não a force ler em situações constrangedoras, se ela não quiser ler em público, não insista;
12- Não a responsabilize por não conseguir ler. Mostre caminhos a ela, para que se torne independente, mesmo que apoiada em seu gravador, e, então ela irá gradativamente, vencendo os obstáculos;
13- Motive-a a participar de atividades teatrais ou que envolvam expressões orais, mesmo que tenha que usar o gravador para preparar a sua apresentação, mas, dona do seu próprio material ela irá adquirir mais confiança;
14- Tenha paciência, suporte e compreenda. Talvez um dia ela se torne grande amante da leitura.

SALVE ESTA MATÉRIA!

Deixe uma resposta