fbpx

Resenha: Senso Comum e a Ciência

Este artigo vai lhe dar uma visão geral sobre o livro Senso Comum e a Ciência, através de uma resenha de fácil compreensão.

Referência Bibliográfica

ALVES, Rubem. Senso comum e a ciência. Filosofia da ciência. São Paulo: Loyola, 2000. 2. ed. 224p, cap. 1, pg. 9-21.il.12,5 x 19cm.
Clique para ler o livro online.

 
Credenciais da autoria

Rubem Alves nasceu em Boa Esperança, Minas Gerais, em 1933. Bacharel em Teologia — Seminário Presbiteriano de Campinas, SP. Mestre em Teologia — Union Theological Seminary, NY, USA, é doutor em Filosofia pelo Princeton Theological Seminary, NJ, USA. É, também, psicanalista pela Associação Brasileira de Psicanálise de São Paulo. Junto à UNICAMP foi Professor Adjunto e Titular da Faculdade de Educação, livre-docente pelo Instituto de Filosofia e Ciências Humanas e Diretor da Assessoria de Relações Internacionais daquela Universidade. Publicou diversos livros, dentro os quais destacamos “O que é a Religião?”, “Filosofia da Ciência”, “Conversas com quem gosta de ensinar”, “Ghandi: A política dos gestos poéticos”, “A alegria de ensinar”, além de vários livros infantis.

 
Conclusões da autoria

A ciência e o senso comum são da mesma forma necessidade de compreender o mundo afim de viver melhor e sobreviver.

O senso comum não é inferior à ciência, pois durante muitos anos vivemos sem esse tipo de conhecimento e conseguimos sobreviver sem a influência da ciência.

O senso comum é realizado de forma bastante ligada à ciência, porém sem uma comprovação concreta.

 
Digesto

Cientistas são como pianistas que resolveram especializa-se em uma só técnica. A especialização pode se transformar em uma perigosa fraqueza. Na verdade a ciência é uma especialização, um refinamento de potencias comuns a todos. A ciência não é um novo órgão de conhecimento, ela é uma hipertrofia de capacidades que todos temos.

Aprendizagem consiste na manutenção e modificação de capacidades ou habilidades já possuídas pelo aprendiz.A ciência nada mais é doque a metamorfose do senso comum.


Quadro de referência do resenhista

Utilização do conhecimento adquirido em sala de aula, livros e textos.

 
Crítica do resenhista

O método usado pelo autor foi pouco maçante e não causou nem um tipo de fadiga, pois o autor manteve seu texto sempre direcionado ao assunto abordado, contextualizando bastante a sua forma de elaboração. Para centrar o leitor no texto o autor usou de diversas perguntas que eram do nosso cotidiano, ficando assim mais fácil à compreensão.

A obra esta dentro de um patamar bastante qualificado, pois se apresenta de forma bastante explícita e coerente, causando no leitor uma pré-determinação a chegar no final de cada texto com uma compreensão aplausível.


Indicações do resenhista

A obra é dirigida para qualquer tipo de leitor, pois é uma obra de ensinamentos de estudo.

A obra é indicada para as disciplinas de ciências humanas e exatas. Pode ser adotada nos cursos de Turismo, Administração, Marketing, etc…

Autor: Marcelo A. Cordeiro Ferreira

 

 

Deixe um comentário

Deseja receber nosso conteúdo direto no seu email?