fbpx

RESENHA: MANIFESTO COMUNISTA

Leia livros sobre este assunto

Desde os primeiros tempos da História a sociedade existiu através da luta de classes sociais, ou seja, entre burgueses e proletários, verificamos assim, quase por toda parte, uma completa divisão da sociedade em classes distintas, uma escala graduada de condições sociais que reina até os dias de hoje.

Desde a época do feudalismo, a sociedade divide-se em dois campos antagônicos: a burguesia e o proletariado. Os burgueses se fortificaram com o desenvolvimento do comércio, que desde então vem a fortificar seu poder, tanto financeiro quanto político.

A industrialização também vem a privilegiar o burguês, pois a burguesia só pode existir com a condição de revolucionar incessantemente os instrumentos de produção, por conseguinte, as relações de produção e, com isso, todas as relações sociais.

Com o estabelecimento da indústria moderna e do mercado mundial, a burguesia conquistou autoridade política exclusiva no Estado representativo moderno.

Um dos principais fatores que levam a burguesia a um acúmulo de capital são os baixos preços de seus produtos.

A sociedade rural da vida feudal perdeu sua importância, a burguesia subjugou o país ás leis das cidades. A população urbana aumentou grandemente. Do mesmo modo, os países bárbaros tornaram-se dependentes dos países civilizados.

Com o desenvolvimento da burguesia (capital), desenvolve-se também o proletariado, a classe dos operários modernos, que só podem viver se encontrarem trabalho e que só o encontram na medida em que este aumenta o capital. Esses operários, constrangidos a vender-se diariamente, são mercadoria, artigo de comércio como qualquer outro.

O crescente emprego de máquinas e a divisão do trabalho, despojando o trabalho do operário de seu caráter autônomo, tiraram-lhe todo atrativo. O produtor passa a um simples apêndice da máquina e só se requer dele a operação mais simples.

A organização do proletariado em classe e, portanto, em partido político, é incessantemente destruída pela concorrência que fazem entre si os próprios operários.

O custo de produção de um trabalhador é restrito, quase completamente, aos meios de subsistência que ele requer para a sua manutenção e para a propagação de sua raça.

De todas as classes que ora enfrentam a burguesia, só o proletariado é uma classe verdadeiramente revolucionária. As outras classes degeneram e perecem com o desenvolvimento da grande indústria; o proletariado, pelo contrário, é seu produto mais autêntico.

O movimento proletário é o movimento espontâneo da imensa maioria em proveito da imensa maioria. O proletário, a camada inferior da sociedade atual, não pode erguer-se, pôr-se de pé, sem fazer saltar todos os estratos superpostos que constituem a sociedade oficial.

A condição essencial da existência e da supremacia da classe burguesa é a acumulação da riqueza nas mãos dos particulares, a formação e o crescimento do capital; a condição de existência do capital é o trabalho assalariado. Este baseia-se exclusivamente na concorrência dos operários entre si.

“A burguesia produz, sobretudo, seus próprios coveiros. Sua queda e a vitória do proletariado são igualmente inevitáveis”.

Proletariados e Comunistas

Os comunistas apoiam os proletários como um todo, pois objetivo imediato dos comunistas é o mesmo que o de todos os demais partidos proletários: constituição dos proletários em classe, derrubada da supremacia burguesa, conquista do poder político pelo proletariado.

A característica distinta do comunismo não é a abolição da propriedade em geral, mas a abolição da propriedade burguesa.

Censuram os comunistas por querer abolir a propriedade pessoalmente adquirida, fruto do trabalho do indivíduo, mas o trabalho assalariado não cria propriedade para o proletário, cria o capital, isto é, a propriedade que explora o trabalho assalariado.

O capital é um produto coletivo: só pode ser posto em movimento pelos esforços combinados de muitos membros da sociedade, O capital não é uma força pessoal; é uma força social. Assim, quando o capital é transformado em propriedade comum, pertencente a todos os membros da sociedade, não é uma propriedade pessoal que se transforma em propriedade social.

“O que queremos é suprimir o caráter miserável desta apropriação que faz com que o operário só viva para aumentar o capital e só viva na medida em que o exigem os interesses da classe dominante.”

A teoria dos comunistas pode ser resumida na sentença: abolição da propriedade privada, o fim da exploração dos muitos pelos poucos.

Na sociedade burguesa existente, a propriedade privada já acabou para nove-décimos da população. A sua existência para os poucos deve-se simplesmente à sua não existência nas mãos desses nove-décimos.

O comunismo não retira a ninguém o poder de apropriar-se de sua parte dos produtos sociais, apenas suprime o poder de escravizar o trabalho de outros por meio dessa apropriação. Na proporção em que a exploração de um indivíduo por outro termina, a exploração de uma nação por outra também terminará. Na proporção em que o antagonismo entre classes dentro de nações desaparece, a hospitalidade de uma nação para outra terminará.

A supremacia do proletariado fará com que os antagonismos sociais desapareçam ainda mais depressa. A ação comum do proletariado, pelo menos nos países civilizados, é uma das primeiras condições para sua emancipação.

O proletariado utilizará sua supremacia política para arrancar pouco a pouco todo capital da burguesia.

A História de toda a sociedade antiga constitui no desenvolvimento de antagonismos de classe, antagonismos que assumiram formas diferentes em épocas diferentes.

Em suma, o comunismo é a ruptura mais radical com as relações de propriedade tradicionais existentes no capitalismo, em que o desenvolvimento livre de cada um é a condição para o desenvolvimento livre de todos.

Esta obra reflete a visão critica de Marx e Engels sobre o capitalismo, a luta e a necessidade da união dos proletários contra a burguesia. Publicada em 1847. Constituindo-se num importante documento que delineava em seus pontos essenciais as bases econômicas e a luta de classe como o motor da história. Segundo seus autores, para surgir uma sociedade sem classe e sem exploração, esta só seria possível através da união dos proletários.

  Este documento histórico é um ponto de convergência de várias tendências políticas e ideológicas,baseava em muitas lutas proletárias e que viria influenciar gerações posteriores do movimento operário e as posteriores lutas de libertação do homem pelos seus direitos .

  Marx e Engels, em sua obra, fornecem instrumentos necessários para a compreensão da exploração do homem em suas diferentes dimensões, mostrando as contradições de realidade.  Este documento destaca as duas  grandes classes oposta: a burguesia e a proletária. Burguesia, classe surgida com a decadência dos feudos, seus “superiores naturais”, e ao se livrarem dos seus poderes, substituem essa liberdade conquistada com tanto reforço  e em lugar de exploração velada por ilusões religiosa e politicas, a burguesia colocou uma exploração aberta, cínica direta e brutal, rasgando o véu do sentimentalismo que envolvia as relações da família e reduziu-as em simples relação monetária.

Em um dos capítulos que compõe essa obra, os autores, referem-se a posição dos comunistas distante dos proletários, afirmam eles que o objetivo dos comunistas é o mesmo que o de todos os partidos proletários: constituição dos proletários em classe, derrubada da supremacia burguesa e a conquista do poder público pelo proletariado.

Na compreensão de Marx e Engels, os comunistas deveriam procurar constituir-se em grupos organizados no interior dos partidos operários de massa que possuíssem nítidas características democraticas, a fim de dar-lhe direção mais firme na luta socialista. Concluem afirmando que os comunistas dariam seu total apoio a qualquer atividade revolucionária que se movimentasse contra o estado de coisas existente em qualquer tempo e lugar, salienta ainda que os comunistas deveriam estar empenhados na união e no entendimento com partidos democraticos de todo mundo.

Nota-se que os autores não estavam preocupados em apresentar uma fórmula universal, pronta e acabada de partido, e sim, princípios que deveriam ser adaptados às organizações proletárias tendo como objetivo final a transformação da classe trabalhadora na verdadeira liderança intelectual e política de cada país.

Diante disso, pode-se finalizar dizendo que essa obra em questão constitui um magnífico instrumento para a humanidade, pois nos pensamentos transcritos nesse documento representa um agudo grito contra o processo mecânico e a alineação do homem, contra sua perda da cidadania, de humanidade  e sua transformação em objeto explorado.

Autor: Juliano Wentz

O que você achou do texto acima? Gostou? Acha que pode ser útil pra mais alguém?

Se sim, eu gostaria de te pedir encarecidamente que compartilhasse, além de transmitir a informação, você ajuda no crescimento do nosso site! 😘

Kit Acelera ABC

Comentários

É muito importante saber a sua opinião. Adoramos quando você comenta, pois assim sabemos quais os rumos que devemos seguir através dos nossos artigos. Tudo o que você sugere ou comenta é avaliado para somar ao conteúdo que desenvolvemos.

Deixe uma opinião sobre o que achou do texto acima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saiu artigo novo! em 24/05/2020
Cartilha Infantil Cartilhas: das Cartas aos Livros de Alfabetização