fbpx

RESENHA DO LIVRO: A VIDA NA ESCOLA E A ESCOLA DA VIDA

Leia livros sobre este assunto

Obra:

CECCON, Claudius. A vida na escola e a escola na vida. 23ª ed., Petrópolis: Editora Vozes Ltda em co-edição com IDAC, 1991


Resumo:

Ninguém está contente com a escola, todo mundo sonha com uma escola melhor, uma escola que realmente cumpra o seu papel que é de dar instrução a todos.

Os pais estão preocupados com a vida escolar de seus filhos, que muitas vezes são reprovados.

Os professores por sua vez se sentem sobrecarregados e desvalorizados em seu trabalho. Suas condições de trabalho são, de fato, muito ruins: classes superlotadas, falta de material didático, programas muito extensos e complicados, etc.

A professora muitas vezes não é vista pelos alunos como uma pessoa amiga que está ali para ajudar, mas sim como aquelas pessoas que sabe o que eles não sabem, que fala enquanto eles têm que ficar quietos, que fala bonito e diz que eles falam errado, que castiga quando eles se comportam mal e reprova quando eles não conseguem aprender o que tem que ser aprendido. Eles têm medo dela e, para se defender, se fecham em si mesmos ou tornam-se agressivos e indisciplinados.

Tudo o que eles sabem de experiência própria e bem vivida não é levado em conta na escola, pouco a pouco eles vão perdendo a motivação para continuar se esforçando, vão se sentindo realmente incapazes de aprender e vão se resignando a uma fracasso que vai marcar o resto de suas vidas.

O número de alunos que abandonam de vez os estudos aumenta consideravelmente a partir dos 10-11 anos de idade. É nessa idade que muitos têm que começar a trabalhar para sobreviver e ajudar a família.

A escola é feita para aqueles que não precisam trabalhar, ela faz de conta de que ninguém trabalha e coloca exigências que os que trabalham não têm tempo nem condições de cumprir. Os resultados escolares dos alunos que têm que combinar estudo com trabalho vão piorando cada vez mais, as reprovações e repetências vão se acumulando até que as crianças ou os próprios pais desistem.

As crianças pobres são na maioria, excluídas da escola, sem qualquer qualificação ou diploma, sem ter aprendido nada de útil para sua vida e seu trabalho. Praticamente a única lição que os anos de escola ensinam é a se considerarem a si mesmos como inferiores aos outros, aos que tiveram sucesso.

A maioria dos professores e das autoridades de ensino não procuram saber se a escola poderia se organizar de outra maneira,levando em conta a pobreza e trabalhando no sentido de diminuir e compensar seus efeitos.

Não se procura adaptar a escola às necessidades dos pobres, o que seria perfeitamente possível, mas, ao contrário, pede-se aos pobres que se adaptem a uma escola que não foi feita para eles, o que é praticamente impossível. E, como eles não conseguem fazer esse milagre, vão sendo pouco a pouco eliminados, o que faz “desaparecer” o problema, da escola não é democrática porque a sociedade em que vivemos ainda não é verdadeiramente democrática. Os donos do poder são também os donos do saber e os pobres são excluídos tanto da escola quanto da participação nas decisões.

A escola, portanto, é parte integrante dessa sociedade injusta e desigual, em que a regra de comportamento é “cada um por si e salve-se quem puder”.


Conclusão:

A escola não está cumprindo o seu dever e pelo contrário, ela está produzindo muito mais fracasso que sucesso, trata uns melhor do que outros e convence os que fracassam de que fracassam porque são inferiores. Ela só educa a minoria. A grande maioria é excluída e marginalizada.

Apesar da lei dizer que a educação é um direito e um dever de todos, as portas da escola estão fechadas para muitos.

Há poucas alternativas para os atingidos pela exclusão da escola. O destino da grande maioria é aceitar os trabalhos mais duros, de remuneração mais baixa e com maior risco de desemprego na hora crise.

Muita gente ainda pensa que a escola é democrática quando trata todo mundo do mesmo jeito. Ora, na verdade, as crianças já chegam à escola numa situação desigual.

Para poder mudar a escola, é preciso primeiro saber o que faz com que ela seja o que é hoje, essa engrenagem que não atende os interesses do conjunto da população. A maneira como a escola está organizada é o resultado da organização da sociedade em seu conjunto.

A escola não é democrática porque a sociedade em que vivemos ainda não é verdadeiramente democrática. Os donos do poder são também os donos do saber e os pobres são excluídos tanto da escola quanto da participação nas decisões.

Autor: Ana Rita Baldasso dos Santos Rebelo

O que você achou do texto acima? Gostou? Acha que pode ser útil pra mais alguém?

Se sim, eu gostaria de te pedir encarecidamente que compartilhasse, além de transmitir a informação, você ajuda no crescimento do nosso site! 😘

Kit Acelera ABC

Comentários

É muito importante saber a sua opinião. Adoramos quando você comenta, pois assim sabemos quais os rumos que devemos seguir através dos nossos artigos. Tudo o que você sugere ou comenta é avaliado para somar ao conteúdo que desenvolvemos.

Deixe uma opinião sobre o que achou do texto acima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saiu artigo novo! em 13/07/2020
O caderno é uma metáfora da vida