fbpx

QUANDO A CONCENTRAÇÃO É UM PROBLEMA

Quando a concentração é um problema

Na escola, são muitas vezes rotulados de “preguiçosos”, pois trocam as letras tropeçam na leitura, baralham-se nas contas e apresentam um défice de concentração. Saiba que os problemas de aprendizagem podem ter inúmeras causas que importa identificar para poder tratar. Para uma criança que inicia a sua aprendizagem, ler, escrever, calcular, colocam à prova capacidades que até então não estavam necessariamente em evidência. O que para umas parece fácil, para outras pode constituir um desafio difícil de superar: letras e números revelam-se verdadeiros obstáculos, travando-as no desempenho escolar mas também na inserção social. São crianças com uma dificuldade de aprendizagem. O que acontece é uma discrepância acentuada entre aquilo que se espera delas e sua realização escolar. Trata-se de discrepância que nada tem a ver com a disfunção física, associada por exemplo a um défice de visão ou audição, e também nada tem a ver com inteligência – as crianças com dificuldades de aprendizagem são tão inteligentes como as demais. O que têm é um problema que interfere com algumas das suas capacidades. Trata-se de uma desordem neurológica que interfere com a recepção, integração e expressão da informação. Não existe um único sinal claro e irrefutável que permita identificar as dificuldades de aprendizagem. Existem apenas pista, cuja a presença deve funcional como um alerta, levando pais e professores a unir esforços que permitam um diagnóstico e uma estratégia consequente. Entre os sinais mais evidentes encontra-se a dificuldade em aprender o alfabeto, em organizar palavras e associar as letras aos respectivos sons. Também é frequente que a criança cometa erros quando lê em voz alta, tendo necessidade de repetir as palavras ou de fazer pausas frequentes. Pode ainda não compreender o que está a ler e apresentar dificuldades em soletrar as palavras. Ou confundir os números e outros símbolos matemáticos. É comum que uma criança com dificuldades de aprendizagem tenha limitações quando se trata de expressar por escrito as suas ideias, o que muitas vezes coincide com uma escrita atabalhoada e um modo incorrecto de segurar o lápis ou a caneta. Problemas em organizar o pensamento e em encontrar a palavra certa para o que quer dizer ou escrever são outros dos sinais a considerar, o mesmo acontecendo com dificuldades na pronúncia ou o uso inapropriado de palavras com sons semelhantes. No que toca ao uso social da linguagem a criança enfrenta dificuldades acrescidas, parecendo, por exemplo, incapaz de perceber uma piada ou uma ironia, ou revelando-se inapta para respeitar as regras de uma conversação nomeadamente no que toca por esperar a sua vez de falar.

Ajuda combinada
Quando se fala em dificuldades de aprendizagem não se fala numa única condição, mas sim num conjunto de características que se manifestam de forma diferente em diferentes pessoas. Em regra, consideram-se quatro situações: dislexia, disgrafia, discalculia, dispraxia, até porque as dificuldades de aprendizagem não constituem uma doença, não existindo, portanto, cura. Mas são para a vida, não desaparecendo mas não impedindo a criança e mais tarde o adulto, de alcançar os seus objectivos. Com o devido apoio, é possível ultrapassar os desafios que se colocam quando se vive abraços com tais dificuldades. Basta lembrar que Einstein tinha esse problema. Com a ajuda de pais e professores e muito trabalho, uma criança pode ser bem sucedida na aprendizagem, contornando as dificuldades. Uma vez confirmada a existência de uma ou mais destas dificuldades, pais e professores, devem assumir a tarefa de se informarem, porque, informados poderão e saberão ajudar melhor. E assim fazer toda a diferença na vida da criança. Nas nossas escolas existe uma sensibilidade crescente para estes casos, muito embora nem sempre os professores estejam preparados para lidar com a diferença. Contudo, importa adoptar estratégias de ensino que permitam atenuar a discrepância entre aquela criança e os demais alunos, bem como reduzir o fosso entre o que a criança consegue aprender e aquilo que, na realidade, aprende.

Autor: Rui

http://farmaciaturcifalense.blogspot.com/

3 comentários em “QUANDO A CONCENTRAÇÃO É UM PROBLEMA”

  1. ola gostei muito post ..a falta de concentração na sala de aula é mesmo um problema muito sério e muitas vezes o professor não sabe como agir. Eu tive uma aluno que rea assim muitas vezes sentei em sua frente e queria e o observa parecia estar em outro mundo o qual eu desconhecia..valeu

    Responder

Deixe um comentário

Deseja receber nosso conteúdo direto no seu email?