O USO ADEQUADO DOS CONECTIVOS E TEXTUALIDADE

Leia livros sobre este assunto

PUBLICIDADE

Uso adequado dos conectivos

A coesão textual depende do uso adequado dos conectivos, elementos responsáveis pelo encadeamento lógico das ideias de um texto.

Publicado por: Luana Castro Alves Perez 

Chamamos de coesão as relações de sentido presentes na superfície do texto. Nessas relações de sentido, os conectivos textuais colaboram para a construção de um texto coeso, tendo como principal função estabelecer uma relação semântica entre os elementos do discurso, fazendo com que eles sejam dependentes ao formar uma espécie de elo que permite o encadeamento lógico das ideias de um texto.

Nesse contexto, o uso adequado dos conectivos contribui para a estruturação da sequência de um texto, conferindo a ele maior legibilidade. Contudo, a aplicação desses termos deve ser feita de maneira correta, pois o uso inadequado dos conectivos pode provocar relações de sentido diferentes daquelas que são esperadas. Os principais conectivos utilizados são as conjunções, palavras responsáveis por relacionar partes da oração ou orações de um período. Mas não basta decorar uma lista interminável de conjunções, é preciso saber quando e como usar cada uma delas, já que na língua o contexto da comunicação, seja ela oral ou escrita, é o fator que determinará a construção dos sentidos do texto.

Sendo assim, observe o uso correto de algumas conjunções no exemplo abaixo:

PUBLICIDADE

Embora Marcelo tenha saído de casa com certa antecedência, chegou atrasado ao estádio para assistir ao jogo que definiria os finalistas do campeonato, porque o trânsito estava congestionado.

A conjunção embora tem como principal função introduzir uma oração que encerra uma ideia de concessão, pois, apesar de ter saído de casa com certa antecedência, Marcelo acabou se atrasando para assistir à partida de futebol. O pronome relativo que tem como objetivo retomar o substantivo jogo presente na oração anterior. Finalmente, a conjunção subordinativa porque inicia uma oração que exprime ideia de causa, pois, porque o trânsito estava congestionado, Marcelo não chegou a tempo para assistir ao início da partida.

Você deve ter observado que o uso adequado das conjunções foi fundamental para a estabelecer uma relação de sentido eficiente. É preciso cuidado na escolha dos conectivos, pois cada um deles, apesar de aparentemente apresentarem valores idênticos, tem uma utilidade específica. Lembre-se de que, para cada tipo de relação que se pretende estabelecer entre as orações, existe uma conjunção que se adaptará perfeitamente a ela.

TEXTUALIDADE

Escrever, embora não seja agradável aos olhos de todas as pessoas, mesmo porque ‘generalizar’ seria um tanto quanto descabido, representa um ato social, haja vista a condição em que nos encontramos, como sendo seres eminentemente sociais, claro. Daí, apossando-nos dessa condição, eis que uma questão tende a ser relevante: se escrevemos, assim o fazemos para um interlocutor, ou seja, para o outro, e mais: se desejamos atingi-lo(a), é porque temos uma finalidade, um propósito.

Digamos então em alto e bom som, para que esse alguém, ora se encontrando do outro lado, compreenda-nos de forma efetiva, de algumas habilidades devemos dispor no instante em que estabelecemos a comunicação. Embora isso, para muitos, pareça ser complexo demais.

Entretanto, caro(a) usuário(a), não para você, que porventura também se enquadra nesse rol, haja vista que de forma criteriosa preparamos uma seção especialíssima, sim, especialíssima, somente para você que se mostra consciente de que independentemente de qual seja a circunstância comunicativa, seu discurso deve atender a alguns pontos norteadores, entre eles:

* Consegui ser claro(a) naquilo que pretendia dizer?

* Expressei-me de forma adequada, ou seja, propus-me a uma seleção criteriosa das palavras, cujos posicionamentos realmente fizeram com que eu atingisse meus objetivos?

* Mesmo falando em expressividade, será que minha linguagem se manifestou de forma simples? Simples não no sentido de fazer uso de coloquialismos, bem como de termos indevidos, tais como gírias, mas simples porque de uma forma precisa você conseguiu se posicionar de forma clara.

* Fui realmente original? Até porque, se usei da expressividade, brechas não se abririam para que a falta de originalidade resolvesse ocupar um “pontinha” de espaço. Apenas lembrando-se de que ser original significa ser claro(a) e preciso(a) sem usar de pedantismos vocabulares, sem “usufruir” de falsas erudições, pois não há nada mais constrangedor do que  falarmos e/ou escrevermos algum termo sem que nem mesmo nós saibamos o significado, concorda?

* A escolha das palavras se deu de forma correta? Nada de chavões, nada de lugares-comuns, modismos, enfim… Conseguiu ser elegante sem ser pedante, sem ser erudito ao extremo?

Ah… Acredite! Mais elegante ainda é você conferir acerca do que aqui se encontra preparado para você, cujo intuito é fazer com que disponibilize dessa e de outras habilidades para que seu discurso, realmente, seja dotado da textualidade de que tanto ele necessita.

Fonte:http://www.mundoeducacao.com



Gostou do conteúdo? Receba nossos artigos e materiais, semanalmente, direto no seu email.


Você tem interesse em planos de aula, atividades com datas comemorativas, músicas infantis, jogos e brincadeiras, tudo isso pronto para você baixar e adaptar?


EU QUERO!

Talvez você se interesse:

Tabuada Fácil

Comentários

Carregando comentários...