fbpx

O que é literatura infantil

O Que é Literatura Infantil
infância

“Voar na história como aquele osso em camaralenta da cena inicial do filme” 2001 Odisséia no espaço”. E detestar no percurso, aquelas propostas que não estão fora do seu tempo”…

Ezequiel Teodoro da silva

Nesta obra a autora fala de nossa infância e o papel principal que cada personagem ocupa em nossa imaginação na nossa infância, expondo o quanto a literatura infantil está voltada à criança e como ela está direcionada ao interesse de quem quiser; mas dentro de um mundo específico. Na década de setenta aumentou o uso dos livros de literatura infantil pelo fato de haverem muito mais alunos nas universidades e pelo crescimento da classe média. Já nos anos oitentas foram ministrados muitos cursos para incentivar a literatura infantil.

A autora comenta da união entre educadores em diferentes níveis de ensino para melhorar o desenvolvimento da educação, no nível principal que é a leitura. Em várias cidades se está sendo feito um trabalho onde o processo acontece com a motivação da leitura, dentro do objetivo que é democratizar povo brasileiro. Nem todos os livros que as crianças lêem são próprios para a literatura infantil.

Na sala de aula, onde os alunos convivem com textos literários, eles desenvolvem o senso crítico da criança e fazem as mesmas separarem suas experiências já conhecidas. De acordo com a Antropologia, quem vai moldar uma criança desde que ela nasce, é o meio em que vive a sociedade. E a literatura infantil vai dar sua contribuição, possibilitando a mudança de conceitos e a autonomia do pensamento.

Como a literatura infantil tinha um caráter didático, por muito tempo, nas obras escritas havia questões de alguma descriminação qualquer.

Mas com o passar dos anos isto foi mudando. Um exemplo disto é a obra “Alice no País das Maravilhas” de Lewis Carrol, trabalhando muitas questões que antes eram proibidas, dando espaço à criança (leitor) e formação de opiniões. O francês Charles Perralt foi quem iniciou a Literatura Infantil, fazendo uma relação com o popular, mas não esquecendo da parte didática.


Ele faz relação entre a literatura popular do povo e a literatura infantil, convertendo a primeira na segunda.
Monteiro Lobato é o iniciador da Literatura Infantil brasileira, onde em suas obras está relacionadas às questões sociais e a literatura. Em suas obras Lobato abre caminhos á imaginação de novas experiências.

Além de Lobato, existem muitos autores de Literatura; Lìgia Cademartori analisa alguns em algumas de suas obras. Segundo a autora, literatura e educação estão sempre ligadas. Desde os primeiros anos na escola a literatura infantil faz parte, entrando até no processo de alfabetização das crianças onde a literatura infantil é fundamental e está sempre relacionado com a escrita, ajudando no processo de alfabetização, processando assim uma relação entre falante e língua.

A escola é lugar de consagração do status, quando sua vocação é acentuadamente conservadora, pois incumbe-se de garantir a permanência do que já está estabelecido. A literatura , por sua vez, proporcia uma reorganização das percepções do mundo e, desse modo, possibilita uma nova ordenação das experiências existências da criança. A convivência com textos literários provoca a formação de novos padrões e o desenvolvimento do senso crítico. ( pág 18, 19 ).

Dentro da idéia do autor penso que esta citação está bastante coerente com uma realidade mais real da nova sociedade que pretendemos formar.

É muito importante para o professor conhecer “assumir a nação de infância como uma construção histórica, sempre retomada” (2Lajolo pág 23 ) para que possa discutí-las e posicioná-las em frente as situações dentro do contexto escolar principalmente na literatura como porta de entrada para o mundo da alfabetização.

Sendo assim as funções da leitura para 3Prout fica ainda mais clara quando faz em seu livro ” Sobre Leitura” onde o acesso para verdade é apoiado no ponto de vista do leitor para formar sua opinião crítica, mais existem o momento marcante como aquela que o leitor deve “retirar-se em seus quartos” (Prost pág 14) esta leitura é muito marcante pois o leitor e o livro conversam entre si.

Para 4Maria Helena Martins são as leituras emocionais, sensoriais e racionais as mais emotivas pois acontece a interação entre o homen e o que ele lê. ” o imediatismo ( sensorial ), o conservadorismo ( emocioanal ) e o progressismo (racionalismo)” pela própria natureza depreciam a leitura”. ( pág 81).

O professor é o principal mediador dessa tarefa, por isso deve sempre repensando em sua prática pedagógica, suas experiências de leituras. Por outro lado, compete aos alunos de um modo geral um comprometimento maior com a leitura, de tal forma que ela seja apreciada e degustada, vivenciando o seu conteúdo do principio ao fim.
Referência

1 ZILBERMAN, R. e SILVA, E. T. Literatura e Pedagogia Ponto & contraponto Porto Alegre: Mercado aberto, 1990. (série contapontos)

2 LAJOLO, M. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. 3ª ed. São Paulo: Ática, 1997. ( Série Educação em Ação)

3 PROST, M . Sobre a leitura . 3ª ed. Trad.Carlos vogt.Campinas, São Paulo : Pontes, 2001

4 MARIA, M . H. O que é leitura. 11ª ed. São Paulo : Brasiliense, 1989. ( col. Primeiros Passas, 74)

5CADEMARTORI, L. O que é Literatura Infantil. 5ª ed. São Paulo: brasiliense, 1991. (Coleção PrimeiroPassas)
Autor: Carmen Regina Straube de Souza


Deixe um comentário