fbpx

O PARADOXO DA TOLERÂNCIA

O Paradoxo da Tolerância

A tolerância é auto-contraditória, pois é reflexiva.  Como princípio, a tolerância dita que devemos ser tolerantes com tudo.  Nós não podemos escolher o que vamos e o que não vamos tolerar.  Se isto é assim, então a tolerância exige tolerar a intolerância.  Assim, se alguém está pregando e praticando a intolerância, a pessoa tolerante não pode, em princípio, falar contra o que a pessoa intolerante está fazendo, pois falar contra a intolerância seria por si só um ato de intolerância.  Em outras palavras, o princípio da tolerância exige que se conceda a pessoas com intolerância o direito de ser intolerante.  Isto é claramente contraditório, uma vez que a tolerância não pode tolerar o que especificamente se propõe a ser contra (ou seja, a intolerância), mas exige, contudo, para fazer exatamente isso.

A tolerância é manifestamente contraditória e, portanto, irracional. A intolerância como princípio não exige que sejamos constantemente e universalmente intolerantes: ela nos oferece a opção de ser tolerante.  Isto é simples, e não é difícil seguir este princípio para viver a vida.  Um lema simples explica que uma pessoa intolerante pensaria: “Eu gosto das coisas que eu gosto e odeio as coisas que eu odeio, e eu odeio as pessoas que gostam de coisas que eu odeio, e eu farei que odeiem a conhecê-las, em termos inequívocos”.  O que poderia ser mais fácil?    “Se você não está comigo, está contra mim, e por isso você é meu inimigo, e eu vou tratá-lo como tal.” George W. Bush praticou esta filosofia para a perfeição durante a sua presidência, recompensando aqueles que o apoiavam e “punindo” aqueles que não fizeram.

Nós temos o sentido intuitivo (além do que a mente racional diz-nos) de que há algo de errado com este raciocínio, por mais lógico e racional que seja.  Nós aprendemos intolerância com a experiência e já vimos que não funciona muito bem na prática. Guerras religiosas, a caça às bruxas (antiga e moderna), a perseguição (política, religiosa e social), estas são todas as frutas deliciosas da intolerância, cujos sabores, eu prefiro não provar.  Mahatma Gandhi fez perfeitamente esta colocação quando disse: “Olho por olho, acaba por tornar o mundo inteiro cego.” Poderíamos dizer: intolerância gera intolerância em uma espiral descendente.

Curiosamente, a tolerância nem sempre tolera, mas geralmente o faz, é isso que nos é recomendado, como o superior dos dois princípios.

Fonte: www.misteriosdocotidiano.com

1 comentário em “O PARADOXO DA TOLERÂNCIA”

  1. Jogo de palavras e de ideias, ser tolerante não é ser contra a intolerância, não é ser contra nada. Não acho racional não, não faz sentido isto.

    Responder

Deixe um comentário

Deseja receber nosso conteúdo direto no seu email?