Folclore Brasileiro: 22 de agosto

O Folclore é festejado no dia 22 de agosto, é uma festa típica na qual são reunidos os costumes e as tradições populares, como lendas, provérbios, danças, artesanato, canções, contos, jogos, brincadeiras, mitos, adivinhações entre outras atividades culturais. O folclore consiste na compreensão do modo de vida de determinado povo.

Aqui está, tudo que você precisa saber sobre o Folclore Brasileiro.

Personagens do Folclore Brasileiro

Confira abaixo, algumas lendas, mitos e contos folclóricos mais conhecidos do Brasil.

Lobisomem – O mito existe em diversos lugares do mundo e conta que um homem foi atacado por um lobo e sobreviveu, se transformando em lobisomem todas as noites de lua cheia quando ataca todos que estão em sua frente.

Curupira – Protetor das matas e dos animais, o curupira é um anão de cabelos longos e vermelhos que possui os pés virados para trás para que ao deixar suas pegadas no chão ninguém consiga persegui-lo.

Boitatá – É uma cobra de fogo que protege as matas e os animais, perseguindo aqueles que prejudicam a natureza.

Corpo-seco – Consiste em um homem que não foi uma boa pessoa em vida e se transformou em alma penada, um tipo de assombração, e anda pelas estradas assustando as pessoas.

Mula-sem-cabeça– Uma mulher, ao se envolver com um padre, foi castigada por sua negligência e se transforma em todas as noites de quinta para sexta-feira em um animal quadrúpede que lança fogo pelas narinas.

Saci-Pererê– É um garoto negro que possui apenas uma perna, anda com um cachimbo na boca e um gorro vermelho, faz travessuras como queimar a comida, espantar cavalos e acordar as pessoas com gargalhadas.

Comidas típicas e suas receitas

PÉ DE MOLEQUE

Ingredientes

  • 2 xícaras de açúcar
  • 1 lata de leite condensado
  • 3 xícaras de amendoim (torrado e sem pele)

Modo de Preparo

  1. Derreta o açúcar, cuidando para não queimar e não ficar bolinhas
  2. Colocar devagar o leite condensado
  3. Em seguida, o amendoim, mexa até desprender da panela
  4. Passar margarina na pia e despejar
  5. Depois de frio, cortar em quadrados

BOLO DE BATATA DOCE

Ingredientes

  • 1 kg de batata-doce
  • 1 lata de leite condensado
  • 1 garrafa (pequena) de leite de coco
  • 3 ovos inteiros
  • 2 colheres (sopa) de manteiga ou margarina

Modo de Preparo

  1. Cozinhe a batata-doce em água sem sal e passe pelo espremedor ainda quente.
  2. Misture bem com o restante dos ingredientes.
  3. Ponha para assar numa forma untada e leve ao forno médio.
  4. Quando espetar um palito ou um garfo e este sair limpo, o bolo está pronto.

BOLO DE FUBÁ

Ingredientes

  • 4 ovos
  • 2 xícaras de chá de açúcar
  • 2 xícaras de chá de trigo
  • 1 xícara de chá de fubá
  • 3 colheres de sopa de margarina
  • 1 xícara de chá de leite
  • 4 colheres de chá de fermento

Modo de Preparo

  1. Bater as claras em neve, acrescentar o açúcar, continuar batendo
  2. Acrescente aos poucos as gemas, a margarina, o leite, a farinha de trigo, o fubá e continue batendo
  3. Coloque por último o fermento, bata por mais 1 minuto
  4. Coloque a massa numa forma untada e deixe assar em forno médio pré aquecido por aproximadamente 30 minutos

QUINDIM

Ingredientes

  • 10 unidade(s) de gema de ovo peneirada(s)
  • 50 gr de coco ralado(s)
  • 150 ml de leite de coco
  • 200 gr de açúcar

Modo de preparo

  1. Depois de peneirar as gemas junte o restante dos ingredientes e misture delicadamente.

  2. Unte uma fôrma de anel com muita manteiga e em seguida polvilhe açúcar na fôrma.

  3. Acrescente o líquido à fôrma e leve para assar em banho-maria a 140º, até ficar dourado e o coco ralado subir a superfície.

MUNGUNZÁ

Ingredientes

  • 01 Pacote de mungunzá de 500g
  • 01 Lingüiça calabresa em rodelas
  • 01 Paio em rodelas
  • 500g de costelinha de porco dessalgada
  • 500g de carne de charque dessalgada
  • Tempero misto a gosto
  • Colorífico a gosto
  • 01 cebola picada
  • 5 Dentes de alho picados
  • 02 Colheres (sopa) de manteiga
  • Sal e pimenta

Modo de preparo

  1. Coloque o mungunzá de molho de um dia para o outro, para que fique macio.

  2. Aqueça numa panela a manteiga, e refogue o alho com a cebola e as carnes temperadas com o tempero misto e o colorífico

  3. Refogue bem e acrescente água até o limite das carnes

  4. Deixe cozinhar por uns 30 minutos

  5. Agora acrescente o mungunzá e coloque mais água para o cozimento

  6. Se for necessário vá acrescentando água durante todo o cozimento até que os grãos de mungunzá estejam macios

  7. Não esqueça de corrigir o sal e a pimenta do reino.

CANJICA

Ingredientes

  • 1 xícara e meia de chá de canjica branca
  • 1 lata de leite condensado
  • 400 ml de leite
  • 250 g de amendoim
  • Canela em pó a gosto

Modo de Preparo

  •     Deixe de véspera a canjica branca de molho em água fria
  •     Remova a água e cozinhe em panela de pressão com 2 litros de água por, aproximadamente, 2 horas
  •     Leve ao forno o amendoim até dourar, espalhe em um guardanapo de pano e pressione o amendoim no guardanapo até soltar as casquinhas vermelhas
  •     Depois do amendoim limpo deixe separado
  •     Junte o leite condensado, o leite e o amendoim na panela com a canjica cozida, deixando ferver por 5 minutos
  •     Despeje em tigelas e polvilhe com canela em pó

PAMONHA

Ingredientes

12 (doze) espigas de milho verde

1 (um) copo de água

2 (duas) xícaras de açúcar

1 (uma) xícara de coco ralado fino

1 (uma) pitada de sal

palhas para a embalagem

Modo de Preparo

Rale as espigas ou corte-as rente ao sabugo e passe no liquidificador, juntamente com a água
Acrescente o coco, o açúcar e mexa bem
Coloque a massa na palha de milho e amarre bem
Em uma panela grande ferva bem a água, e vá colocando as pamonhas uma a uma após a fervura completa da água
Importante : a água deve estar realmente fervendo para receber as pamonhas, caso contrário elas vão se desfazer
Cozinhe por mais ou menos 40 minutos, retirando as pamonhas com o auxílio de uma escumadeira
Deixe esfriar em local bem fresco
Sirva com café e queijo ralado

PÃO DE QUEIJO

4 copos(americanos)de polvilho doce (500g)

1 colher de (sopa) fondor maggi ou sal a gosto

2 copos de (americano)de leite (300ml)

1 copo (americano) de óleo (150 ml)

2 ovos grandes ou 3 pequenos

4 copos (americano) de queijo minas meia cura ralado

óleo para untar

Modo de Preparo

Colocar o polvilho em uma tigela grande

à parte, aquecer o fondor, o leite e o óleo

Quando ferver escaldar o polvilho com essa mistura, mexer muito bem para desfazer pelotinhas

Deixe esfriar

Acrescentar os ovos um a um, alternando com o queijo e sovando bem após cada adição

Untar as mãos com óleo, se necessário

Enrolar bolinhos de 2 (cm) de diâmetro e colocá-los em uma assadeira untada

Levar ao forno médio (180º), pré-quecido

Assar até ficarem douradinhos

ARROZ DE CARRETEIRO

Ingredientes

1 kg de carne seca

1 cebola picada

1 colher de sopa de cheiro-verde

2 xícaras de chá de arroz

2 dentes de alho picados

6 colheres de sopa de azeite

Sal a gosto

Modo de Preparo

Deixe a carne seca de molho de vépera, troque a água e cozinhe até ficar macia

Desfie

Frite-a em uma panela com azeite

Quando a carne estiver dourada, coloque a cebola e o alho

Junte o arroz e frite

Acrescente a água fervente e cozinhe em fogo baixo até o arroz ficar macio

Salpique o cheiro-verde e sirva em seguida

Bom apetite

BARREADO

Ingredientes

2, 5 k de coxão mole

300 g de bacon em cubos

2 cebolas grandes, picadas

5 dentes de alho, picados

10 g de cominho em pó

3 folhas de louro

Sal e pimenta do reino, a gosto

200 ml de vinagre de vinho

4 colheres de sopa de óleo de milho

2L de água fervente

Modo de Preparo

Cortar a carne em cubos de 2 cm

em uma vasilha plástica, juntar a carne, o bacon, as cebolas, os dentes de alho, o cominho, o vinagre, o sal e a pimenta do reino

misturar tudo muito bem e deixar descansando por uma hora

adicionar o óleo de milho em uma panela de barro (de 5 l), untando-a por dentro e levar ao fogo brando

quando o óleo estiver bem quente, acrescentar a carne temperada, mexer bem com uma colher de pau durante cinco minutos

acrescentar a água fervente

tampar a panela e barrear a tampa com pirão de farinha de mandioca;

deixar cozinhando por cinco horas

após, abrir a panela e verificar o nível da água (2 cm acima da carne) e o sal, se necessário, completar

Acrescentar as folhas de louro

tampar e barrear novamente a panela e deixar cozinhando por mais quatro horas

levar a panela, com cuidado à mesa, servir em prato fundo, acompanhado de farinha de mandioca crua e banana prata

Para esta receita ser servida no almoço eu começo o primeiro cozimento às 19:00h horas e desligo o fogo às 24: 00 h

na manhã seguinte, às 08: 00 horas, após verificar o nível da água e o sal, tampo e barreio novamente a panela, religo o fogo e deixo cozinhando até às 12:00 horas

CALDEIRADAS DE PEIXES

Ingredientes

2, 5 k de coxão mole

300 g de bacon em cubos

2 cebolas grandes, picadas

5 dentes de alho, picados

10 g de cominho em pó

3 folhas de louro

Sal e pimenta do reino, a gosto

200 ml de vinagre de vinho

4 colheres de sopa de óleo de milho

2 l de água fervente

Modo de Preparo

Lave o peixe e pique em pedaços médios. Lave os camarões, retire as cascas e a parte escura do dorso, lave novamente e reserve. Lave o coentro, seque, separe as folhas e pique-as finamente. Lave os pimentões, retire os pedúnculos e as sementes e corte-os em tiras não muito finas. Descasque a cebola, lave-a e pique em gomos finos. Lave a pimenta, retire o pedúnculo, parta-a ao meio, elimine as sementes e pique em pedaços grandes. Coloque o azeite numa tigela grande, própria para microondas, com capacidade para 3 litros. Junte o pimentão e a cebola e leve ao microondas, na potência máxima, por 5 minutos, ou até o pimentão amolecer. Retire do forno, incorpore o peixe, a pimenta, o molho de tomate, o leite de coco e o sal. Mexa delicadamente, cubra a tigela com papel-manteiga e volte ao microondas, na potência máxima, por 12 minutos, ou até o peixe ficar macio. Retire do forno, acerte o sal, espalhe o camarão e mexa delicadamente. Volte ao microondas, na potência máxima, por 11 minutos. Retire do forno e sirva em seguida.

CARNE DE SOL E CHARQUE (CARNE SECA)

Ingredientes

500 g carne seca ou charque

2 cebolas grandes

1 colher de sopa rasa de sal

Óleo para refogar

Cheiro verde a gosto

Água o suficiente

Modo de Preparo

Em uma panela de pressão, coloque a carne da forma que preferir (pedaços, fatias)

Acrescente o sal e água o suficiente (que cubra a carne)

Deixe cozinhar até que esteja cozida

Escorra em uma escorredeira de macarrão, jogue água para dar uma lavadinha

Escorra bem

Em uma panela refogue a carne e acrescente a cebola cortada em rodelas, vá refogando até seu gosto

Obs: Não precisa deixar a carne de molho, deu vontade é só fazer 2

BUCHADA DE BODE

Ingredientes

Vísceras de 1 cabrito (bucho, tripas, fígado e rins)

4 limões grandes

Sal e pimenta-do-reino a gosto

3 dentes de alho esmagados

4 cebolas picadas

1 maço de cheiro verde picado

2 folhas de louro picadas

2 ramos de hortelã picados

1 xícara de vinagre

2 colheres de sopa de azeite

200 g de toucinho fresco picado

Sangue coagulado do cabrito

Modo de Preparo

Limpar as vísceras, retirando a cartilagem e o sebo.

Limpar o bucho e esfregar o limão por dentro e por fora.

Deixar de molho em água fria com o suco de 1 limão por 5 h.

Picar em tirinhas as tripas e demais vísceras.

Temperar com sal, pimenta-do-reino, alho, cebola, cheiro verde, louro e hortelã.

Juntar o vinagre e deixar descansar.

Aquecer o azeite e adicionar o toucinho, deixando em fogo baixo até derreter, formando torresmos.

Retirar os torresmos e na gordura que se formou refogar todas as vísceras.

Juntar o sangue coagulado já picado e retirar do fogo.

Retirar o bucho do molho de limão, aferventar inteiro.

Colocar o refogado de vísceras e os torresmos no interior do bucho e costurar com agulha e linha.

Levar ao fogo uma panela com bastante água e sal e deixar ferver.

Colocar o bucho e cozinhar em fogo brando durante 4 h.

Servir com molho de pimenta forte e farinha de mandioca crua

SOPA DE JERIMUM

Ingredientes

2 kg de jerimum

1/2 kg de charque (carne seca)

2 cebolas

4 dentes de alho

2 caldo de bacon

1 lata de ervilha

1 lata de milho verde

2 litros de água

4 colheres sopa de margarina

Óleo para fritar a carne

200 g de macarrão parafuso ou concha

500 g de torrada (opcional)

Modo de Preparo

Em uma panela coloque o Jerimum descascado e cortado em pedaços pequenos

Junto com a água, leve ao fogo até ficar desmanchado

Reserve

Escalde a carne e leve ao fogo para fritar até ficar bem sequinha

Reserve

Em outra panela, ponha a cebola, o alho, e a margarina para dourar

Em seguida, passe o Jerimum no liquidificador e ponha em uma panela grande para ferver

Jogue o caldo de bacon, o alho e a cebola refougados, o macarrão e deixe cozinhar até amolecer o macarrão

Depois de ter amolecido o macarrão desligue o fogo, jogue a carne por cima, a ervilha, o milho verde e depois o coentro bem picadinho

Sirva com torrada

2.Danças do Folclore

As principais danças folclóricas do Brasil. Conheça algumas delas, como são dançadas, qual a origem de cada uma e como elas possuem influencia direta na cultura brasileira.

Dentre todas as riquezas presentes no Brasil, uma que definitivamente marca o nosso país é a cultura. O Brasil é conhecido por possuir uma imensa cultura devido a grande miscigenação de raças que forma nossa população.

Sofrendo influências de outros países e de inúmeros imigrantes que aqui chegam, o Brasil possui uma cultura diferente relacionado a cada estado. Dentro das diversas culturas existentes, o país se destaca principalmente pela dança característica de cada lugar, sendo chamada de dança folclórica.

O que é a dança folclórica?

A dança é conhecida por ser uma espécie de manifestação da cultura de cada região ou de algum grupo de pessoas. É caracterizada pela formação de passos que são acompanhados por algum ritmo musical.

Principais Danças do Folclore

Dentre as principais danças folclóricas existentes no Brasil, algumas delas se destacam, como:

Samba de Roda

É uma dança que se assemelha muito a capoeira. Foi originada através do ritmo africano “semba” que reunia diversos passos e sons da África. É dançada ao som de berimbaus, atabaques e outros instrumentos de percussão. Quando o samba de roda foi trazido para a Bahia primeiramente, algumas adaptações foram feitas, reunindo além da dança e dos sons, a magia também da poesia. Hoje o samba de roda é conhecido no mundo inteiro.

Maracatu

O maracatu é uma doença típica do Nordeste que simboliza a adoração pelos orixás. É uma dança onde todos saem fantasiados com seus devidos trajes e saem dançando pelas ruas, passando de mão em mão a “calunga”, boneca de pano presa em um bastão. É uma dança natural do carnaval e que teve sua origem em Pernambuco.

Frevo

É uma dança de carnaval de rua típica também de Pernambuco e é caracterizada por movimentos rápidos, aonde todos os indivíduos carregam consigo uma sombrinha colorida tal qual sua roupa. É uma dança que acompanha músicas tocadas geralmente apenas por surdos e sopros. Alguns acreditam que o frevo é a junção de diversas danças, outros acreditam que o frevo sofreu influencia diretamente da capoeira. Independe da sua origem, é uma dança que reúne diversos foliões com o mesmo objetivo, dançar e se divertir.

Baião

É uma dança que teve origem a partir do grande sucesso do cantor e sanfoneiro Luiz Gonzaga que cantava uma música intitulada “Baião”. Essa dança é característica do sertão nordestino que acabou sendo levada para todo o mundo. É uma dança agitada que se dança em pares, se assemelhando ao forró nordestino.

Catira

A catira é uma doença tipicamente gaúcha que teve sua origem através de influencias de diversas danças espanholas, inglesas e também africanas. É uma dança caracterizada por palmas e sapateios extremamente sincronizados formando assim uma coreografia. Todos os dançarinos, os chamados “catireiros”, se vestem iguais, trajando botas e muitas vezes chapéus.

Quadrilha

A Quadrilha é uma dança que simboliza o período de festas juninas. A cada festa junina organizada, são também organizadas as quadrilhas. A quadrilha é realizada em pares que seguem os dizeres de um responsável por ela. É realizada com a música tema da festa junina sendo somente instrumental e seguem um padrão, podendo ser adaptada dependendo de cada festa junina e de cada lugar aonde ela é realizada.

O dia 22 de agosto está se aproximando e com ele vem o dia nacional do folclore. A palavra tem o significado de cultura, sinônimo de crenças, enfim. É o que um povo acredita e que muitas vezes vem de geração para geração. Confira nesse artigo quais são os Personagens do Folclore.O Folclore brasileiro é um dos maiores do mundo, em relação a quantidade de lendas e de como as pessoas encaram a data. É um dia muito comemorado, principalmente no Note do país, de onde a maioria das historias foram criadas.

O folclore pode ser dividido em lendas e mitos. Muitos deles deram origem à festas populares, que ocorrem pelos quatro cantos do país. A festa de Iemanjá é uma delas. A rainha dos mares também faz parte do folclore.

 

PERSONAGENS DO FOLCLORE BRASILEIRO

BOITATÁ

A lenda do boitatá foi criada pelo padre José de Anchieta, onde descreveu o boitatá como uma gigantesca cobra de fogo ondulada, com olhos que parecem dois faróis, couro transparente, que cintila nas noites em que aparece deslizando nas campinas e na beira dos rios.

CURUPIRA

O Curupira solta assovios agudos para assustar e confundir caçadores e lenhadores, além de criar ilusões, até que os malfeitores se percam ou enlouqueçam, no meio da mata. Seus pés virados para trás servem para despistar os caçadores, que ao irem atrás das pegadas, vão na direção

SACI PERERÊ

O Saci-Pererê é um dos personagens mais conhecidos do folclore brasileiro. Possuí até um dia em sua homenagem: 31 de outubro. Provavelmente, surgiu entre povos indígenas da região Sul do Brasil.

IARA

Também conhecida como a “mãe das águas”, Iara é uma personagem do folclore brasileiro. De acordo com a lenda, de origem indígena, Iara é uma sereia (corpo de mulher da cintura para cima e de peixe da cintura para baixo) morena de cabelos negros e olhos castanhos.

LOBISOMEM

O lobisomem é um dos mais populares monstros fictícios do mundo. Suas origens se encontram na mitologia grega, porém sua história se desenvolveu na Europa. A lenda do lobisomem é muito conhecida no folclore brasileiro, sendo que algumas pessoas, especialmente aquelas mais velhas e que moram nas regiões rurais, de fato crêem na existência do monstro.

Mula Sem Cabeça

A mula é literalmente uma mula sem cabeça, que solta fogo pelo pescoço, local onde deveria estar sua cabeça. Possui em seus cascos, ferraduras que são de prata ou de aço e apresentam coloração marrom ou preta.

VITÓRIA RÉGIA

Diz a lenda que a Lua era um deus que namorava as mais lindas jovens índias e sempre que se escondia, escolhia e levava algumas moças consigo. Em uma aldeia indígena, havia uma linda jovem, a guerreira Naiá, que sonhava com a Lua e mal podia esperar o dia em que o deus iria chamá-la.

BOTO COR-DE-ROSA

De acordo com a lenda, um boto cor-de-rosa sai dos rios nas noites de festa junina, e consegue se transformar num lindo jovem vestido com roupa social branca. Com seu jeito galanteador e falante, o boto aproxima-se das jovens desacompanhadas, seduzindo-as. Logo após, consegue convencer as mulheres para um passeio no fundo do rio, local onde costuma engravidá-las. Na manhã seguinte volta a se transformar no boto.

NEGRINHO DO PASTOREIO

O Negrinho do Pastoreio é uma lenda afro-cristã. Muito contada no final do século XIX pelos brasileiros que defendiam o fim da escravidão. É muito popular na região Sul do Brasil. A lenda é muito bem descrita por Simões Lopes Neto, no livro Contos Gauchescos & Lendas do Sul. No Uruguai, a lenda também é conhecido como “El negrito del pastoreo”.

CHUPA-CABRA

Chupa-cabra é uma suposta criatura responsável por ataques sistemáticos a animais rurais em regiões da América, como Porto Rico, Flórida, Nicarágua, Chile, México e Brasil. O nome da criatura deve-se à descoberta de várias cabras mortas em Porto Rico com marcas de dentadas no pescoço e o seu sangue alegadamente drenado.

CAIPORA

Montado em um porco selvagem, o caipora anda nu pela floresta e domina todos os animais. De acordo com a lenda, ele ataca os caçadores que não cumprem os acordos de caça feitos com ele. Assim como o Curupira, de quem possui um parentesco, sua missão é proteger os animais da floresta.

ANTA-CACHORRO

Na Amazônia, existe a lenda da anta-cachorro, um animal enorme que tem a forma de onça e patas com casco de anta. Se estiver perseguindo alguém que suba numa árvore, o bicho cava a terra até que a árvore em que se refugiam seus inimigos caia.

MACUNAIMA

Macunaíma nasceu numa tribo amazônica. Lá passa sua infância, mas não é uma criança igual as outras do lugar. É um menino mentiroso, traidor, pratica muitas safadezas, fala muitos palavrões, além de ser extremamente preguiçoso. Tem dois irmãos, Maanape e Jiguê. Sem dúvidas é um dos Personagens do Folclore Brasileiro mais famosos.

ANHANGA

É um dos mitos mais antigos do Brasil colonial. O Anhanga traz para aquele que o vê, ouve ou pressente certo prenúncio de desgraça. Os lugares que se sabem ser frequentados por ele são mal-assombrados. Tem várias formas, tanto humana quanto animal

História dos personagens do Folclore Boto – Mito amazônico. É o pai das crianças de paternidade ignorada. Descrito como rapaz bonito, bem-vestido, boêmio e ótimo dançarino. Nos bailes, encanta as moças, leva-as para igarapés afluentes do Amazonas e as engravida. Antes da madrugada, mergulha no rio e se transforma em boto. Chamado também de boto tucuxi.Caipora – Segundo a mitologia tupi, um personagem das florestas, com a propriedade de atrapalhar os negócios de quem o vê. Quando um projeto sai errado, se diz que seu autor viu o caipora, ou caapora. Em algumas regiões, é um indiozinho de pele escura. Em outras, uma indiazinha feroz. É descrito também como criança de uma perna só e cabeça enorme.

Cuca – Influenciada pela bruxa de origem européia, é uma velha feia que ameaça crianças desobedientes, em especial as que não querem dormir à noite.

Curupira – Mito conhecido de vários índios sul-americanos. Na Venezuela, o chamam de Máguare. Na Colômbia, Selvage. Os incas peruanos o denominam Chudiachaque. A cabeça também varia: em alguns lugares, ele é careca, em outros tem cabeleira vermelha. Mas todos o descrevem como um anão com os pés às avessas calcanhar para frente, dedos para trás. Seu rastro engana os caçadores inescrupulosos, fazendo com que eles se percam na floresta. Não varia, também, sua função de ente protetor das árvores e dos animais.

Iara – Tem as mesmas características das sereias: mulher da cintura para cima, peixe da cintura para baixo, canto irresistível aos ouvidos dos homens, que atrai para a profundidade das águas, onde habita.

Lobisomem – Homem aparentemente comum, vive e trabalha como os demais da comunidade. Nas noites de lua cheia se transforma em um lobo, ou em um homem com cabeça de lobo e mata quem cruza o seu caminho. Antes do dia clarear readquire forma humana.

Matintapereira – Segundo a mitologia tupi, é uma pequena coruja que canta à noite para anunciar a morte próxima de uma pessoa. Descrevem-na também como mulher grávida que deixa o feto na rede de quem lhe nega fumo para o cachimbo.

Mula-sem-cabeça – Personagem monstruosa em que se transforma a mulher que tem relações sexuais com padres ou compadres. Acredita-se que a metamorfose se dá nas noites de sexta-feira, quando o galope da mula-sem-cabeça assombra pessoas da comunidade.

Negrinho do pastoreio – Na tradição gaúcha, uma espécie de anjo bom, ao qual se recorre para achar objetos perdidos ou conseguir graças. É o negrinho escravo que o dono da estância pune injustamente, açoitando-o e depois amarrando-o sobre um formigueiro. Mas seu corpo aparece intacto no dia seguinte, como se não tivesse sofrido nenhuma picada, e sua alma passa a vaguear pelos pampas.

Saci-pererê – Negrinho de uma perna só, fuma cachimbo e cobre a cabeça com carapuça vermelha. É inofensivo: se diverte assustando gado no pasto, dando nó em rabo de cavalo e criando pequenas dificuldades domésticas.

Principais lendas do Folclore Brasileiro:

É importante ressaltar que mito e lenda não possuem o mesmo significado, o primeiro termo se refere a uma estória popular transmitida de uma geração para outra, já o segundo se refere a uma narrativa com recursos simbólicos originados na Antiguidade. A seguir temos informações a respeito das principais lendas brasileiras, confira.

Saci-Pererê

Lendas do Folclore Brasileiro

Garoto negro de uma perna só que adora aprontar travessuras em ambientes como sítios e fazendas. O saci usa um gorro vermelho e vive com um cachimbo na boca.

Mula-sem-cabeça

Lendas do Folclore Brasileiro 2

 

Devido ao romance com um padre, uma moça recebeu o castigo de ser transformada em um animal com corpo de mula e chamas ao invés de cabeça. Ela passa por essa transformação todas as noites de quinta-feira e circula pelas matas.

Lobisomem

Lendas do Folclore Brasileiro 3

Essa lenda existe em vários países e conta a história de um homem, que se transforma em lobo em todas as noites de lua cheia. Na fase animal, o indivíduo se torna agressivo e só pode ser morto com um tiro de bala de prata.

Boto

Lendas do Folclore Brasileiro 4

Lenda típica da Amazônia, onde se acredita que o peixe se transforma em um lindo homem para seduzir mulheres em festas e engravidá-las. O encanto se acaba quando ele mergulha nas águas e se transforma em boto novamente.

Brincadeiras folcóricas 

Brincadeiras do Folclore Brasileiro

O folclore brasileiro e as brincadeiras que fazem parte dele. Confira as principais brincadeiras e como elas são feitas, com o objetivo de divertir toda criançada.

Nosso país é marcado por diversas influências, mas é caracterizado por possuir tradições próprias e histórias que fazem parte da imaginação de todos os brasileiros. Uma das características do nosso país é o folclore, uma reunião de histórias que mexem com a cabeça de todos que as conhece.

Sobre o Folclore

O folclore pode ser definido como um conjunto de lendas que surgiram a partir de relatos da população de diversos estados brasileiros. O folclore além das lendas, também é caracterizado pelas inúmeras brincadeiras que são responsáveis por divertir não só as crianças, mas muitos adultos também.

Principais Brincadeiras

Soltar pipa

Essa brincadeira é uma das brincadeiras mais antigas já conhecidas. É uma brincadeira bastante atual ainda e que se caracteriza pelo ato de confeccionar uma pipa com linha, madeira e papel e colocá-la para voar, tendo somente o vento como recurso. É uma das brincadeiras prediletas dos meninos, pois com a pipa eles podem fazer malabarismos e direciona-las no céu.

Esconde-Esconde

O esconde-esconde também é uma das brincadeiras mais conhecidas e antigas do mundo. Muitas pessoas podem brincar e se divertir ao mesmo tempo. A brincadeira consiste em escolher uma criança para que conte até um determinado número enquanto as outras crianças se escondem do contador. Após chegar ao número determinado, a criança que estava contando terá que achar as outras crianças, até encontrar todas. É uma brincadeira muito divertida e extremamente saudável.

Pega-pega

Pega-pega é juntamente com o esconde-esconde uma das brincadeiras mais antigas e divertidas que se mantém até os dias de hoje. É uma brincadeira aonde muitas crianças podem brincar juntas. A brincadeira começa quando se escolhe uma das crianças para ser o pegador. Feito a escolha, essa criança terá como objetivo pegar as outras crianças. Uma vez que uma criança é tocada, o pegador passa a ser ela. É uma brincadeira que exige muita força e agilidade das crianças.

Estilingue

O estilingue é um objeto feito com madeira e borracha. Muitos meninos brincam com o estilingue com uma pedra, tendo como objetivo acertar alguns alvos como pilha de latas, garrafas de plástico, entre outros. É importante ressaltar que o estilingue não deve ser usado contra as pessoas e nem contra animais.

Bola de gude

É uma brincadeira mais jogada por meninos, mas algumas meninas também gostam. É uma brincadeira que é feita com diversas bolinhas de vidro coloridas. Cada criança possui uma quantidade específica de bolinhas e possuem como objetivo atingir as bolinhas dos seus colegas, acumulando pontos ou ganhando as próprias bolinhas dos adversários.

Boneca de pano

Brincar com boneca de pano é algo que as meninas adoram. Muitas meninas esperam ganhar aquela boneca de pano feito pela sua mãe ou pela sua avó, para que possam brincar de casinha ou de outras coisas. É também uma brincadeira muito antiga que encanta as meninas até os dias de hoje.

Pião

O pião é um brinquedo feito de madeira que é usado para rodas através de um barbante. É uma das brincadeiras mais antigas já vistas e que ainda faz grande sucesso por diversas regiões do país. O pião quando é soltado através do barbante ao seu redor, gira com bastante velocidade e muitos meninos conseguem maravilhosos malabarismos com ele.

Músicas do Folclore Brasileiro O que sãoAs músicas do folclore brasileiro são canções populares, muitas de autores desconhecidos do interior do Brasil, que são transmitidas de geração para geração através dos tempos. Parte importante da cultura popular, são usadas como o objetivo lúdico (envolvendo jogos e brincadeiras) ou para pura diversão. Possuem letras simples e com muita repetição, características que facilitam a memorização. Estas músicas são mais populares nas regiões do interior do Brasil e costumam apresentar como temas principais situações do cotidiano (amor, namoro, casamento, relacionamentos, etc.). Algumas letras também envolvem personagens do folclore brasileiro. As músicas folclóricas brasileiras são quase sempre acompanhadas pelo som de uma viola caipira ou de violão.

 

Exemplos de músicas do folclore brasileiro:

A COR MORENA

A cor morena / É cor de ouro
A cor morena / É o meu tesouro

É de meu gosto / É de minha opinião
Hei de amar a cor morena Quer papai queira, quer não
(Bis)

A cor morena / É cor de prata
A cor morena / É quem me mata

É de meu gosto / É de minha opinião
Hei de amar a cor morena / Com prazer no meu coração
(Bis)

A cor morena / É cor de canela
A cor morena / É uma cor tão bela

É de meu gosto / É de minha opinião
Hei de amar a cor morena / Quer papai queira ou não
(Bis)

 

BALEIA

A baleia é um peixe com tamanha barbatana
Quem quiser moça bonita vá no Campo de Santa
(Bis)

O A, o B, o C, vamos todas aprender
Soletrando o bê-a-bá na cartilha do ABC
(Bis)

O A é uma letra que se escreve no ABC
Ó, Altina, você não sabe quanto eu gosto de você
(Bis)

O B é uma letra que se escreve no ABC
Ó, Belmira, você não sabe quanto eu gosto de você
(Bis)

O C é uma letra que se escreve no ABC
Ó, Cecília, você não sabe quanto eu gosto de você…
(Bis)



POMBINHA BRANCA

Pombinha branca, que está fazendo?
Lavando a louça pro casamento
A louça é muita, sou vagarosa
Minha natureza é de preguiçosa

Pombinha branca, que está fazendo?
Lavando a louça pro casamento
Passou um homem
De terno branco
Chapéu de lado
Meu namorado

Mandei entrar
Mandei sentar
Cuspiu no chão!
Limpa aí seu porcalhão!

 

SAPO CURURU

Sapo cururu, na beira do rio
Quando o sapo grita ó maninha! Diz que está com frio

A mulher do sapo
É que está la dentro
Fazendo rendinha, ó maninha
Pro seu casamento.

 

A LUA VEM SAINDO

A Lua vem saindo
Redonda como em botão,
Calçando meia de seda,
Sapatinho de algodão.

 

PRENDA MINHA

Vou-me embora, vou-me embora prenda minha
Tenho muito que fazer
Tenho de parar rodeio prenda minha
(Bis)
No campo do bem querer

Noite escura, noite escura prenda minha
Toda noite me atentou
Quando foi de madrugada prenda minha
(Bis)
Foi-se embora e me deixou

Troncos secos deram frutos prenda minha
Coração reverdeceu
Riu-se a própria natureza prenda minha
(Bis)
No dia em que o amor nasceu.

 

NEGRINHO DO PASTOREIO

Negrinho do pastoreio acendo essa vela pra ti
E peço que me devolvas a querência que eu perdi

Negrinho do pastoreio traz a mim o meu rincão
Que a velinha está queimando, nela está meu coração

Quero rever o meu pago colorado de pitangas
Quero ver a gauchinha brincando na água da sanga

Quero trotear nas coxilhas respirando a liberdade
Que eu perdi naquele dia que me embretei na cidade

Negrinho do pastoreio traz a mim o meu rincão
A velinha está queimando aquecendo a tradição

 

MAÇANICO

Maçanico, maçanico
Maçanico do banhado
Quem não dança o maçanico
Não arruma namorado

Maçanico, maçanico
Mas que bicho impertinente
Maçanico vai te embora
Na tua casa chego gente

Maçanico, maçanico
Se põe na sala a dançar
Maçanico pula e corre
Bate as asas pra voar

 

DA ABÓBORA FAZ MELÃO

Da abóbora faz melão.
De melão faz melancia.
Faz doce, sinhá / Faz doce sinhá
Faz doce sinhá Maria.

Quem quiser aprender a dançar,
vai a casa do Juquinha.
Ele pula, ele roda,
ele dá requebradinha.

Sendo assim, para ser considerado folclore, certo costume deve ser muitas vezes colocado em prática por um número grande de pessoas. A palavra Folclore teve origem a partir dos vocábulos “Folk” que significa em inglês “povo” e “Lore”, “conhecimento”. O Brasil possui um dos folclores mais ricos do mundo, sendo formado pelos índios, brancos e negros ao longo da colonização. Em cada região do país, as tradições folclóricas são diferentes, com suas festas, danças, comidas e bebidas típicas.

Deixe um comentário