fbpx

COMO PAIS DEVEM SUPERAR A DEFICIÊNCIA E BUSCAR O MELHOR PARA SEUS FILHOS

Leia livros sobre este assunto

 

 

 


Não antecipe problemas
Até o momento em que a família soube que o bebê teria alguma deficiência, a chegada do novo integrante estava cercada de expectativa. Agora, é preciso aceitar a realidade e abandonar as projeções feitas antes e que não foram correspondidas. Se a mãe gostaria muito de ter um filho loiro e de olhos azuis, mas ele nasceu com olhos e cabelos castanhos, ela precisa rejeitar a expectativa criada. Os pais podem não ter preconceito com os portadores de Síndrome de Down, por exemplo, mas em relação à imagem que tinham deles até então. A reação depende muito dos referenciais de cada um. Logo se criam compensações.
O apoio psicológico é importante. Mães e pais precisam de ajuda especializada para expor medos, angústias e sentimentos de culpa. A criança que nasce com alguma doença séria ou deficiência força a família a passar por um período de luto. Por luto entende-se não somente a reação vivenciada diante da perda de um ser amado, mas também as manifestações ocorridas por outras perdas significativas. O luto pelo nascimento da criança que não corresponde às expectativas criadas durante a gravidez passa por várias fases. Primeiro, a família recebe a notícia e precisa lidar com as novas informações. Com o diagnóstico feito pelos médicos, você saberá o que seu filho tem. Mas evite fazer e aceitar prognósticos – previsões acerca da evolução do problema. Existem casos singulares. É natural sentir raiva e desespero. Depois de se permitir passar por isso, você será capaz de organizar melhor suas emoções.
A família deve aprender a perceber as qualidades da criança ao olhar para ela. O período de luto varia de acordo com cada pessoa, além de sua estrutura psíquica, social e intelectual e experiência de vida também influenciarem. Pode ter uma pequena duração ou se estender por um período maior.
Os pais precisam relaxar, aguardar o tempo necessário para a assimilação e então conviver bem com esta condição. As informações precisam ser absorvidas intelectual e emocionalmente. É comum o sentimento de luta e fuga frente a uma situação desconhecida ou assustadora; não se trata necessariamente de negação da criança.
Você precisa assimilar o fato de que não deu à luz o bebê sonhado, saudável e sem limitações físicas ou cognitivas. Não projete o futuro da criança ou tente antecipar tudo que está por acontecer, como uma vida inteira de dedicação a um filho doente.
Outra das fases que compõem o período de luto é a da busca pelos culpados ou responsáveis. A mãe e o pai se questionam sobre o que podem ter feito de errado para que tudo isso acontecesse – primeiro culpam eles próprios, depois o outro. Trata-se de um processo de difícil entendimento, e as mais absurdas hipóteses podem ser consideradas. O casal está vivendo um momento estressante e precisa de ajuda para lidar com a situação – seja de familiares e amigos mais próximos ou de um especialista.
O momento de intenso estresse pode influenciá-lo de duas maneiras distintas – você pode se fortalecer e buscar opções construtivas ou se fechar. Se você resiste à sugestão de procurar um terapeuta, pense que pode ser produtivo como um tratamento pontual, apenas para esta questão. Será importante para toda a família.
A tristeza e o desamparo dos pais, principalmente da mãe, não podem prejudicar a assistência ao bebê. A ajuda de familiares e amigos é essencial nessa hora. É preciso evitar críticas ao comportamento da família e respeitar as dificuldades, que todos ainda estão se adaptando às novidades.
Pense nas demonstrações feitas pelos comissários de bordo em aviões: se for preciso utilizar as máscaras de oxigênio, você deve primeiro colocá-la em você para depois ajudar os demais. O procedimento é o mesmo se você tiver filhos que precisam tomar conhecimento das condições do irmão recém-nascido. Pai e mãe restabelecem-se do choque primeiro para depois poderem atender bem os demais integrantes da família.
Texto adaptado para divulgação no site do Instituto Indianópolis
Fonte: Rede Saci | Jornal Zero Hora | Larissa Roso

 

 

Fonte: Construir e Incluir http://construireincluir.blogspot.com

 

 

 

 

O que você achou do texto acima? Gostou? Acha que pode ser útil pra mais alguém?

Se sim, eu gostaria de te pedir encarecidamente que compartilhasse, além de transmitir a informação, você ajuda no crescimento do nosso site! 😘

Kit Acelera ABC

Comentários

É muito importante saber a sua opinião. Adoramos quando você comenta, pois assim sabemos quais os rumos que devemos seguir através dos nossos artigos. Tudo o que você sugere ou comenta é avaliado para somar ao conteúdo que desenvolvemos.

Deixe uma opinião sobre o que achou do texto acima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saiu artigo novo! em 24/05/2020
Cartilha Infantil Cartilhas: das Cartas aos Livros de Alfabetização