fbpx

AS SUPRESSÕES OCORRIDAS NAS SALAS DE BATE-PAPO

As Supressões nas Salas de Bate-papo


As Supressões Ocorridas nas Salas de Bate-papo


Tema:

Linguística, diacronia.

Objeto

Supressão.


Objetivo

  • Esse trabalho tem como objetivo mostrar o que está acontecendo dentro das salas de bate-papo da internet no que se diz respeito a escrita utilizada pelos internautas que a frequentam.
  • Mostrar quais são as supressões/abreviações que acontecem com mais freqüência nesse ambiente denominado: salas de bate-papo.
  • Evidenciar os processos de supressão que ocorrem atualmente.


Justificativa

Desde que participo de conversas de bate-papo na internet algo vem me intrigando, o modo dos internautas se expressarem através da escrita, e a peculiaridade maior são as supressões/abreviações; porque há outras peculiaridades que não vem ao caso ser demonstrada nesse trabalho monográfico; a maioria dos internautas tentam abreviar tudo, agilizando a linguagem, e isso chamou a minha atenção e resolvi estudar o caso, e provar que a língua está em constante movimento.

Penso que um dia a língua escrita irá mudar e será através dessa nova linguagem que está nascendo dentro das salas de bate-papo que ela virá.

O mundo anda muito rápido e as palavras, assim como o tempo, tem encurtado bastante; não parece que o dia tem vinte e quatro horas, e a primeira mudança está ocorrendo na linguagem escrita.

O que fatalmente ocorrerá é que essa linguagem irá interferir na linguagem escrita oficial do Brasil com todas as suas supressões/abreviações.


Capítulo I

1.1 Internet

A biblioteca encarta define internet como interconexão de redes de computadores que permite que as várias máquinas conectadas se comuniquem. O termo se refere a uma interconexão em particular, aberta ao público, que conecta redes de informática de organismos oficiais, educativos, empresariais etc.

Sendo assim Internet é um conjunto de redes locais conectadas entre si através de um computador específico para cada rede. As interconexões entre os gateways se efetuam através de diversas vias de comunicação, entre as quais estão as linhas telefônicas, fibras ópticas e as por ondas de rádio. Assim, podem ser incluídas novas máquinas às redes já existentes. As informações que devem ser enviadas a uma máquina remota são transformadas em pacotes e identificadas com o endereço da máquina de destino.

Os diversos tipos de serviço proporcionados pela Internet utilizam formatos de endereço diferentes. As redes situadas fora dos Estados Unidos utilizam sufixos que indicam o país, por exemplo “.br” para Brasil ou “.ar” para Argentina. Dentro de cada país, o sufixo anterior especifica o tipo de organização a que pertence a rede de informática em questão, por exemplo, uma instituição educacional (.edu), um centro militar (.mil), um órgão do governo (.gov), uma organização não-governamental (.org) ou uma empresa privada de cunho comercial (.com). Então temos.com.br.

Uma vez endereçada, a informação sai de sua rede de origem através do gateway, dali é encaminhada de porta em porta até que chegue à rede local que contém a máquina de destino.

A Internet não tem um controle central, nenhum computador que dirija o fluxo de informação. Isso diferencia a Internet dos sistemas de redes semelhantes de outros tipos de serviços de informática de rede.

O protocolo Internet (IP) e o protocolo de controle de transmissão (TCP) foram desenvolvidos em 1973 pelo norte-americano Vinton Cerf como parte de um projeto patrocinado pela Agência de Programas Avançados de Investigação (ARPA, sigla em inglês) do Departamento de Defesa dos Estados Unidos. A Internet começou como uma rede de informática (chamada ARPAnet) que conectava redes de computadores de várias universidades e laboratórios de pesquisa nos Estados Unidos para fins militares.

World Wide Web (WWW) foi desenvolvida em 1989 pelo britânico Timothy Berners-Lee para o Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (CERN, sigla em francês).

Através da Internet é possível executar diversas tarefas. Os serviços mais comuns são: a navegação pelas páginas da Web, a troca de mensagens por correio eletrônico, a troca de mensagens on-line chat room, o download (1. carregar um programa ou uma seção de dados de um computador remoto via uma linha telefônica; 2. transferir dados de um computador de grande porte para um computador pequeno; 3. enviar dados-fontes de impressora armazenados em disco para uma impressora – onde vão ser armazenados em memória temporária ou RAM) de arquivos e o controle remoto de outras máquinas dentre outras.

Com a navegação pelas páginas da Web é possível fazer pesquisas, obter informações sobre assuntos variados, ouvir músicas ou assistir a vídeos, além de ler as últimas notícias locais ou mundiais e saber a previsão do tempo. Com o aumento da segurança na transmissão de informações confidenciais, tem sido comum efetuar compras, fazer transações bancárias e até investir na bolsa de valores.

Ao trocar mensagens de correio eletrônico e-mail, duas pessoas podem enviar arquivos anexados, além de textos e imagens, de forma muito mais ágil do que o correio tradicional. Dessa forma, cartas, memorandos e até documentos com proteção por criptografia têm sido transferidos pela Internet com mais freqüência.

Um grande atrativo da troca de mensagens on-line pela Internet é o seu baixo custo, pois duas ou mais pessoas situadas em países diferentes podem trocar mensagens de texto e arquivos instantaneamente ao custo de uma ligação local. Já é possível também que elas conversem por via-voz ou até se vejam através das webcams (câmeras para a Internet).

Os sites funcionam como bibliotecas virtuais, disponibilizando milhares de arquivos para que os usuários façam download. Eles podem ser protegidos por senha ou liberados ao público e consistem em uma forma importante de fornecer aos usuários um acesso seguro e detalhado aos mais diversos assuntos.

Hoje a internet é o meio de comunicação mais rápido e mais usado no mundo. A internet tem como principais objetivos: informar, diminuir distâncias (em todos os sentidos), entreter e etc.

A internet informa quando alguns sites colocam no ar notícias de outras partes do mundo em tempo real; antes se demorava muito para saber o que acontecia do outro lado do mundo porque as informações vinham por outros processos, e nesses outros processos, muita informação se perdia, muita informação era mudada, muita informação não chegava até onde deveria chegar.

A internet diminui distâncias quando você pode conversar com alguém que está no outro lado do mundo. Diminui também a distância social, quando uma pessoa que está do outro lado conversando com você, e você não conhece essa pessoa, pouco importa naquele momento se essa determinada pessoa é negra ou branca, católica ou crente, rica ou pobre, homem ou mulher, se usa drogas ou não, se bebe, se rouba, se já matou alguém ou qualquer outro estigma criado dentro de nós.

A internet entretém quando você joga, ouve música, visita museus, cemitérios, países, cidades e etc.

Mas o que mais entretém são as salas de bate-papo. Nessas salas você pode ser quem você quiser, você pode montar um perfil e usá-lo, afinal, ninguém te conhece mesmo. Nessas salas você pode conversar com várias pessoas de todas as partes do mundo. Em vários sites as salas são bem divididas: no site da UOL (Universo On Line) que foi usado para essa pesquisa, as salas são divididas por idade, por região, por cidade, por grupo de pessoas, por assunto, etc. E dependendo do site que você entra, você tem alguns recursos interessantes como: mandar fotos (fotos que estejam na internet, não adianta você querer mandar a sua foto 3×4 da carteira ou aquela que está no seu computador, tem que ser uma foto de alguma página da internet), mandar carinhas pré-determinadas pelo próprio site, conversar reservado com uma determinada pessoa, não receber mensagem de determinada pessoa, mandar sons pré-determinados pelo próprio site indicando: suspiro, beijo, sonolência, nojo, admiração e etc., dentre outros recursos você pode mudar a cor da letra do seu apelido dentre outras.

Para você entrar em uma sala de bate-papo, é necessário que você tenha um computador conectado à internet, depois você escolhe um site (onde você já foi previamente apresentado), entra em uma das várias salas que o site abriga (existem várias salas de bate-papo dentro de um único site, você pode escolher e para ficar mais fácil, o site separa por várias categorias), escolhe um apelido, segue algumas instruções e pronto, você já está dentro (se a sala que você escolheu não estiver cheia), daí para frente é com você, você faz o que quiser, é quem quiser e escreve como quiser.


Capítulo 2

2.1 Diacronia

Caráter dos fenômenos lingüísticos, sociais, culturais etc., observados quanto à sua evolução no tempo.

Conforme Câmara (2001: 55) Diacronia é o: termo adotado por Saussure para designar a transmissão de uma língua, de geração em geração, através do tempo, sofrendo ela nesse transcurso mudanças em todos os níveis, cujo conjunto constitui a evolução lingüística. A diacronia da língua portuguesa parte do latim vulgar até nossos dias.

Sendo assim a nossa língua, que é tão rica, não poderia ter estacionado no tempo e no espaço, ela tinha que evoluir também, e como hoje em dia evolução é sinônimo de redução – tanto de gastos quanto de pessoal, reduzir pequenas partes de uma palavra também é tido como evolução.


Capítulo 3

3.1 Economia Linguística

Segundo Coutinho (1976: 137) a lei do menor esforço ou da economia lingüística é uma lei universal, cujo domínio se estende a todos os ramos da atividade humana. Caracteriza-se pela simplificação dos processos, empregados pelo homem, na realização de sua obra. No tocante à linguagem, é que Max Muller (1867) considera  que  essa economia lingüística visa a manter as diferenças fonéticas necessárias à inteligência da linguagem.

Ainda em Coutinho (1976: 137) Como lei fonética, a lei do menor esforço se exerce no sentido de tornar mais fácil aos órgãos fonadores a articulação das palavras. As modificações e quedas de fonemas deram-se em obediência a esta lei.

E sendo assim, tem-se o principio dos metaplasmos de supressão/subtração que por sua vez são os metaplasmos que tiram ou diminuem fonemas da (s) palavra (s).

Os metaplasmos de supressão/subtração dividem-se em quatro classes distintas que são: aférese, síncope, haplologia, apócope.

Aférese é a supressão do fonema no começo da palavra assim como em: attonitu > ttonito > tonto e odeleite > deleite.

A síncope é quando a supressão/subtração do fonema se da no meio da palavra como em: malu > mau e mediu > meiu > meio.

Haplologia é quando há uma supressão/subtração de uma silaba inteira no meio da palavra como em: rotatore > rodor > redor e perdeda > perda.

E a apócope se dará quando a supressão/subtração vier no final da palavra como em: amare > amar e legale > legal.

E essas supressões/abreviações acontecem nas salas de bate-papo com freqüência.


Capítulo 4

4.1 Preguiça Ortográfica

Hoje em dia ouve-se muito as pessoas reclamarem que não tem mais tempo para nada, que parece que o dia já não tem mais 24 (vinte e quatro) horas, que não deu tempo de fazer certa atividade e etc. As pessoas têm a nítida impressão que não dá para fazer mais nada. Só que, sabemos que o dia ainda tem 24 (vinte e quatro) horas, só não sabemos como administrar o nosso preciso tempo.

E é por isso que tentamos, a todo custo, minimizar as coisas como forma de caber no nosso dia. Não podemos perder tempo, temos que agilizar tudo. Tentamos agilizar nosso almoço, pegamos atalhos para ir a algum lugar, usamos computador e a internet para agilizar pagamentos e encontros e etc. E a linguagem, como não podia deixar de ser, não escapou desse fenômeno.

Para que possamos agilizar a escrita, suprimimos algumas letras de algumas palavras, como já aconteceu anteriormente na história quando passaram o Latim para o português de Portugal e posteriormente para o português do Brasil.

Essa mudança é devida a uma economia lingüística já defendida por Max Muller em La Science du Language. Que consiste em economizar letras, sílabas, palavras e etc. o que hoje é uma prática comum nas salas de bate-papo; e quem não a usa, é logo identificado como um novato.

O ato da economia em si é suprimir/abreviar ao máximo determinada palavra, porém, como tudo tem regra, a regra básica e fundamental aqui é que a palavra abreviada não perca o sentido, ou que não tenha sentido dúbio, tudo isso para que o receptor entenda sem maiores constrangimentos o que está sendo dito.

Uma das coisas mais interessantes é que o internauta não se dá conta do que está fazendo e vivenciando. O internauta suprime as palavras preocupando-se com a compreensão do seu receptor. Fica preocupado se o leitor vai entender o que ele (internauta) quer dizer.

Não é só no Brasil que está acontecendo esse fenômeno, em vários países é usado as supressões nas salas de bate-papo, para serem mais rápidos, por causa do alto preço da internet em determinados países ou por preguiça de ficar escrevendo palavras com várias letras, sendo que, se tirar algumas letras, não faria falta ou diferença no seu significado final na cabeça do receptor.

O mais importante nas salas de bate-papo é que todos consigam se comunicar de forma rápida e direta, usando a linguagem oficial (gramaticalmente correta) ou usando a linguagem da internet.

É claro que essa regra de economia não se aplica a todos os internautas, existem aqueles que não acham correto as supressões/abreviações das palavras. Esses usuários, tradicionalistas, até “brigam” com aqueles que suprimem demasiadamente as palavras, por dois motivos, porque não fica muito estético e porque fica mais difícil o entendimento para aqueles que não a usam com frequência.

No glossário em anexo foi apresentado as supressões/abreviações mais usadas nas salas de bate-papo na internet bem como dois quadros com exemplos de supressões/abreviações. Nesse glossário é possível notar os grupos de palavras suprimidas e suas características.


Problemática

Considero como problemática o fato de: se os internautas se habituarem a usar demasiadamente essa nova linguagem que é a linguagem virtual com todas as suas supressões/abreviações, eles, os internautas, poderão futuramente não conseguir diferenciar a escrita padrão/culta/oficial do Brasil da escrita virtual e cometer o que é chamado de erro pelos gramáticos, e assim perderem oportunidades nos lugares onde se faz necessário o uso da escrita padrão/oficial/culta.

Até que ponto as supressões podem ter uma influência na ortografia oficial da língua?

Até quando a língua oficial/padrão/culta resistirá ao novo conceito de escrita que veio para ficar?

Gostaria de ver essas mudanças ocorrerem, pois, falar que a língua está em movimento é fácil, provar é que é difícil, e eu estou provando e participando desse processo de aperfeiçoamento; e o que quero, é que essa nova forma de escrita seja reconhecida como a nova linguagem escrita do Brasil.


Conclusão

Creio que a economia lingüística tratada aqui tem como principais motivos: a velocidade do mundo de hoje, o alto preço da internet e por preguiça de ficar escrevendo palavras inteiras sendo que podemos retirar algumas letras dessas palavras que não farão diferença no seu significado.

E sendo a diacronia a ciência que estuda a evolução da língua através do tempo e da história, mostrando todo o processo de ganha e de perca de letras nas palavras e a internet que é o meio mais moderno de usar a língua escrita, e as salas de bate-papo o local onde ocorrem essas mudanças, resolvi provar que a língua muda, e nós estamos no meio dessa mudança e ainda não nós demos conta disso.

Concluo que a sociedade evoluirá e que essa nova linguagem escrita será muito mais aceita do que nos dias atuais, tendo em vista de que a internet está ganhando a cada dia mais adeptos e a cada dia que passa está mais presente nas casas das pessoas e com isso, cada vez mais pessoas terão que ter o domínio dessa nova forma de escrita.


Plano de estudo

Capítulo 1 – Internet

Capitulo 2 – Diacronia

Capítulo 3 – Economia Lingüística

Capítulo 4 – Preguiça Ortográfica


Bibliografia

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas lingüísticas. São Paulo. 1996. Edusp (Editora da Universidade de São Paulo)

CÂMARA, J. Mattoso Jr.. Dicionário de Lingüística e Gramática. Rio de Janeiro. 2001. 22ª ed. Vozes.

COUTINHO, Ismael de Lima. Gramática Histórica. Rio de Janeiro. 1976. Ao Livro Técnico.

FARACO, Carlos Alberto.Lingüística Histórica. São Paulo. 1991. Ed. Ática.

HABERMAS, J. O discurso filosófico da modernidade. Lisboa: Publicações Dom Quichote, 1990

IANNI, O. Teorias da globalização. 5.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999

LÉVY, P. O que é o virtual?. São Paulo: Editora 34, 1996.

MALMBERG, Bertil. As Novas Tendências da Lingüística. São Paulo. Ed. Nacional, Ed. da USP. 1975.

MARTINBARBERO, J. Cidade virtual: novos cenários da comunicação. Comunicação & Educação, São Paulo, n.11, p. 58-9, jan./abr., 1998.

MARTINEZ, V. A rede democrática. Perspectivas, São Paulo, v.22, pág. 191 a 199, 1999.

POTTIER, Bernard. Lingüística Geral Teoria e Descrição. Rio de Janeiro- RJ: Presença: Universidade Santa Úrsula. 1978. pág. 55 a 58 e 310.

PRETI, Dino. A gíria e outros termos. São Paulo: Ed. Edusp. 2.000.

PRETI, Dino.Os níveis da fala. São Paulo: Ed. Edusp. 1.999.

STÖRIG, Hans Joachim. A Aventura das Línguas. São Paulo, 2ª edição. Melhoramentos. 1992.

SACCONI, Luiz Antonio. Nossa Gramática Teoria e Prática. São Paulo, 26ª edição. Atual Editora. 2001.

– Marroquim (1996)

– DIACRONIA E SINCRONIA ABORDAGEM E INTERRELAÇÕES

Antônio Carlos Siqueira Andrade (UERJ/UCB) – 2001

– Prof. Ericsson Linhares – Universidade do Rio de Janeiro (UERJ) – 2003

– A MODERNIDADE DA GRAMÁTICA HISTÓRICA. Manoel Pinto Ribeiro (UERJ/CEUAM/ABF) – 2003

– PROCESSOS DE ARCAIZAMENTO NO LÉXICO DO SERIDOENSE Prof. Camilo Rosa – DESE – CERES – UFRN

– Enciclopédia Eletrônica Encarta 2001. Editora Abril.

– Luiz Antonio Gomes Senna. Professor através de e-mail.

Autor: Andre Savoy Santos Souza

Deixe um comentário

Deseja receber nosso conteúdo direto no seu email?