fbpx

APOSTILA: MINI CURSO DE ALFABETIZAÇÃO

Leia livros sobre este assunto

MINI CURSO DE ALFABETIZAÇÃO

SUGESTÕES DE JOGOS PARA ALFABETIZAÇÃO

INTRODUÇÃO

 Desde que as atividades lúdicas começaram a ser pesquisadas e valorizadas por estudiosos do desenvolvimento infantil, estabeleceu-se a dificuldade em conceituar os dois termos, principalmente em nosso país, por conta da língua portuguesa em que brincar e jogar são sinônimos – lembrando que a palavra “brincar” só existe no nosso idioma.

Se quisermos, porém, para fins didáticos, estabelecer as diferenças e semelhanças devemos analisar alguns aspectos dos dois termos. Os especialistas afirmam que o brincar é essencial porque é brincando que o ser humano se mostra criativo. Ele significa espontaneidade, liberdade, imaginação, prazer e movimento. Brincar representa ainda a expressão cultural da criança sendo o oposto do trabalho. A brincadeira exprime as relações entre a criança e o brinquedo e das crianças entre si e com os adultos.

Tanto os jogos como as brincadeiras são expressões da cultura da infância. Os primeiros, por serem mais estruturados, foram objetos de estudo de especialistas do desenvolvimento infantil, como Piaget que os classificou em jogos:

  • De exercício ou ativos (correr, pular corda, jogar bola, etc);
  • Simbólicos ou faz-de-conta (brincar com bonecos, contar histórias, casinha, etc.);
  • Com regras (jogo de dama, trilha, dominó, esconde-esconde e outros);
  • De construção (blocos de encaixe, terra, argila, massinha, etc.)

Ao lado de outras necessidades básicas, as crianças precisam de tempo, espaço, companhia e material para brincar. Quanto mais experiências lúdicas para criar, construir e experimentar, mais desenvolve a sua imaginação e conseqüente aprendizagem. Por ser uma atividade social, brincar também precisa ser aprendido e a família e a escola são os ambientes ideais para que isso aconteça. A preocupação excessiva do educador, com o aspecto pedagógico do jogo, pode causar o desinteresse da criança, lembrando que jogos e brincadeiras precisam de adesão espontânea para ser realmente efetivos no seu aprendizado.

Tanto as brincadeiras espontâneas quanto os jogos dirigidos são parte integrante do universo infantil e estão diretamente associados ao seu estágio de desenvolvimento e ao ambiente cultural em que se inserem. Os bebês aprendem inicialmente a brincar e a jogar com as suas mães e com os adultos que delas cuidam. Crianças pequenas desenvolvem essa aprendizagem com os adultos e com outras crianças maiores e, quando vão para a escola, esta passa a ser um ambiente privilegiado onde podem desenvolver, com a mediação dos educadores, tanto brincadeiras como os jogos com regras.

À medida que crescem, as crianças representam a sua visão de mundo, incluindo os valores éticos, pelo uso dos brinquedos e sua participação nos jogos. Assim, aprendem a esperar a sua vez, a respeitar os acordos estabelecidos, descobrindo novos usos para o mesmo material. As regras estabelecidas para os jogos estão, muitas vezes, relacionadas à cultura dos jogadores e podem mudar de acordo com os grupos que estão jogando, o que não invalida a sua autenticidade.

BAIXAR EM PDF

APOSTILA DE JOGOS DE ALFABETIZAÇÃO

Fonte: uol.com.br

O que você achou do texto acima? Gostou? Acha que pode ser útil pra mais alguém?

Se sim, eu gostaria de te pedir encarecidamente que compartilhasse, além de transmitir a informação, você ajuda no crescimento do nosso site! 😘

Kit Acelera ABC

Comentários

É muito importante saber a sua opinião. Adoramos quando você comenta, pois assim sabemos quais os rumos que devemos seguir através dos nossos artigos. Tudo o que você sugere ou comenta é avaliado para somar ao conteúdo que desenvolvemos.

Deixe uma opinião sobre o que achou do texto acima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *