fbpx

AFETIVIDADE E EMOÇÃO

AFETIVIDADE E EMOÇÃO



APRESENTAÇÃO

Este trabalho é caracterizado pelos principais temas: a afetividade e a emoção, onde os mesmos são componentes importantes de nossa existência, o desenvolvimento deste, aborda alguns aspectos do nosso comportamento. O conteúdo está subdividido em tópicos a fim de permitir melhor compreensão e assimilação do conteúdo.


1. IMPORTÂNCIA DA VIDA AFETIVA

O início da vida afetividade no indivíduo é dado nas primeiras estimulações naturais, oferecida pela mãe. É um ponto de partida para o apego ou ligação afetiva.

Esse apego pode ser deduzido pelo medo que a criança apresenta na ausência da mãe. Essa ligação afetiva inicial que ocorre geralmente no bebê, dos sete aos quartoze anos de idade, continua a sofrer alterações no decorrer de sua vida.

Os afetos podem ser duradouros ou passageiros. Nossas expressões não podem ser compreendidas si não considerarmos os afetos que nos acompanham.

Um psicólogo jamais poderá deixar de analisar esses aspectos e leva-los em consideração sempre, assim terá condições de interpretar certas atitudes que estará acompanhada sempre de um sentimento. Isso porque, os afetos determinam atos, faz com as pessoas muitas vezes perca o controle de seu comportamento.

Exemplo: uma pessoa que está chateada com sua amiga e diz a ela que: quando a encontrar não vai discutir com ela. Porém, quando a amiga aparece e faz algo irritante, a primeira reação é discutir.

Mesmo que há alguns minutos atrás haviam prometido que não iriam ter esse tipo de comportamento.

Marx afirmou que o homem se define no mundo objetivo não somente em pensamento, senão com todos os sentidos que se afirmam como forças essenciais humanas. Não só os cinco sentidos, como também os sentidos espirituais (amor e vontade).


2. O ESTUDO DA VIDA AFETIVA

São os afetos, as emoções, sonhos, fantasias, desejos, expectativas que dão sentido a nossa vida afetiva, cuja mesma é parte integrante da nossa vida psíquica.

Nossas expressões não podem ser compreendidas se não houver uma relação com o afeto que as acompanham, pois são eles que determinam nosso comportamento.

O estudo da vida afetiva tem sido privilegiado pelos homens, principalmente na área científica, onde os afetos estão sendo vistos como uma deformação no conhecimento objetivo.

A vida afetiva apresenta uma sucessão entre prazer – desprazer, a afetividade aumenta e sustenta o temor e a afânise (desaparecimento sexual), como por exemplo, a angústia em seus diferentes aspectos.

Até o século XIX, usavam – se indiscriminadamente, termos como emoção e sentimento. Mas, hoje já existe uma distinção entre eles, onde:

Emoção: é o estado mais agudo é transitório;

Ex.: a ira.

Sentimento: é o estado mais durável, porém enfraquecido.

Ex.: a lealdade.


3. OS AFETOS

Os afetos têm sua importância na orientação do comportamento do indivíduo, os mesmos nos ajudam avaliar situações no decorrer de nossa existência. O afeto é produzido por estímulos externos. A origem dos afetos pode nascer, surgir no interior do indivíduo.

Para a Psicanálise, não há afeto sem representação, ou seja, sem idéia.

Eles também servem de critério de valorização, podendo ser tanto positivo quanto negativo para as situações que ocorrem. Existem duas matrizes psíquicas dos afetos que são o prazer e a dor, eles podem ser considerados afetos originários. Entre estes dois extremos encontram – se inúmeras tonalidades, intensidades de afetos.

Freud quando postulou a teoria do Complexo de Édipo, concebeu certo “conflito” entre esses afetos básicos, criando uma oposição entre eles, dizendo: “um amor fundamentado e um ódio não menos justificado, ambos dirigidos à mesma pessoa”.

Existem outros dois afetos que constituem a vida afetiva, o amor e o ódio. Esses afetos estão associados aos pensamentos, às fantasias, aos sonhos… e expressões de diferentes formas conforme cada indivíduo.

Os afetos preparam nossas ações, ou seja, participam ativamente da percepção que temos de situações vividas e do planejamento de nossas reações ao meio. Essa função é caracterizada como função adaptativa. Os afetos possuem outras características que estão ligados à consciência, o que permite dizer o que sentimos expressando através de linguagem e de nossas emoções.

Os afetos muita vezes são enigmáticos para quem os sente. Há motivos dos afetos que estão fora da consciência. Os afetos às vezes parecem um enigma onde, o que parece ser não é, e às vezes nossas expressões não conduz com o que sentimos. Nem sempre o nosso comportamento está em união com os nossos afetos.


4. AS EMOÇÕES

As emoções desempenham um papel muito importante para nós seres humanos. Já se sabe que a vida afetiva é um dos pontos de equilíbrio humano mais eficaz, ou seja, um ser humano que não sente emoções não sebe o que a vida tem de melhor.

As emoções são expressões afetivas acompanhadas de reações intensas e breves do organismo.

As emoções desempenham um papel muito importante no nosso organismo, que causam alterações orgânicas, assim como:

  • Batimentos cardíacos acelerado
  • Tremor
  • Riso
  • Choro
  • Lagrimas
  • Expressões faciais
  • Etc.

As emoções são muitas: raiva, nojo, medo, tristezas, alegria etc.

Quase sempre essas emoções não conseguimos controla-las.

Muitas pessoas têm dificuldade em expressar, colocar para fora as emoções, mais já foi provado, que essas pessoas expressam suas emoções internamente, guardam dentro de si, isso dificulta a descarga de tensão do organismo, pois as emoções são momentos de tensão em um organismo, as quais podem distingue, por exemplo.

“O choro da tristeza do choro da alegria”

“O riso de alegria do riso de nervoso”

As  emoções são aspectos muito importantes para o individuo, através das emoções que sentimos que estamos vivos, não temos que esconder nossas emoções, pois é responsável pelo nosso desenvolvimento.


5. OS SENTIMENTOS

Os sentimentos têm um papel muito importante na nossa vida psíquica, ou seja, o sentimento é uma espécie de alimento do nosso psiquismo. Necessitamos sentir algo mais forte por alguém ou alguma coisa que gostamos.

Nós seres humanos, inconscientemente, já sabemos definir o que são sentimentos e o que são emoções. Assim, consideramos a paixão uma emoção, porque o que sentimos é algo passageiro, algo ardente. Já

Os sentimentos, como a ternura e a amizade, é algo mais tranqüilo, mais duradouro, e mais equilibrado.

Os afetos básicos como amor e ódio, podem expressar-se como sentimento.

Os sentimentos nós não enxergamos, mas sentimos. Falar de sentimento é muito difícil, pois é falar de si próprio, é mostrar o seu verdadeiro “EU”.

É dizer o quanto sentimos por alguém;

É amar sem receber retorno;

É se entregar por inteiro;

É abraçar a mãe e o pai;

É beijar o filho;

É dedicar – se a um livro, um animal;

É fazer de tudo um pouco para o próximo;

Tudo isso é sentimento.


6. CONCLUSÃO

O que viemos a concluir neste é que, os afetos, as emoções, os sentimentos, o prazer, a dor, o amor, o ódio e tudo que sentimos fazem parte da nossa vida psíquica. Vimos também que o afeto determina os nossos atos e que é um ponto de partida para o apego ou ligação afetiva. Os afetos podem ser duradouros ou passageiros.

Nas emoções é possível observar uma relação entre os afetos e a organização corporal, ou seja, as modificações que ocorrem em nosso organismo. Os sentimentos são mais duradouros, porém menos explosivos, por não virem acompanhados de reações químicas.


7. BIBLIOGRAFIA

BOCK, Ana Mercês Bahia.

Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia

13ª. Ed. – São Paulo: Saraiva 2002.

Psicologia Geral

 

Autor: Adriana de Cassia

 

1
Deixe um comentário

avatar
0 Conversas
0 Respostas
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário mais apreciado
0 Autores de comentários
Autores de comentários recentes
  Receber notificações  
mais novos mais antigos mais votados
Me notifique

Deseja receber nosso conteúdo direto no seu email?