RESUMO DO LIVRO PEDAGOGIA DA AUTONOMIA DE PAULO FREIRE

Custom Search

Livro: FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra. 1998

Saberes necessários á pratica educativa

O livro pedagogia da autonomia trata de questões que no dia a dia do professor continuam a instigar o conflito e o debate entre os educadores e educadoras, o cotidiano do professor na sala de aula e fora dela, da educação fundamental á pos graduação.

Segundo o autor a convivência amorosa com seus alunos e a postura curiosa e aberta que assume e, ao mesmo tempo provoca-se a se assumirem enquanto sujeitos sócio-histórico culturais do ato de conhecer. A competência técnica cientifica e o rigor de que o professor não deve abrir mão no desenvolvimento de seu trabalho não é incompatível com a amorosidade necessária ás relações educativas.

“No capitulo 1, Freire coloca-nos “ensinar não é transferir conhecimento, mas criar possibilidades para a sua produção ou construção” e ‘ensinar necessita sem aprender e vice-versa”.

O educador deve reforçar a capacidade critica do educando “o pensar certo” respeita os saberes dos educando no capitulo 2, Freire nos faz conscientes do inacabamento como docente e também como seres humanos.

“Saber que devo respeitar a autonomia, a identidade e a dignidade do educando e na pratica procurar a coerência com este saber”.

A partir deste saber fundamental mudar é difícil, mas e possível que vai programar nossa ação político pedagogia.

No capitulo 3 Freire nos aborda a generosidade “o clima de respeito que nasce das relações justas, serias, humildes, generosa, em que a autoridade docente e as liberdades dos alunos, questionam a participação dos pais diante escolha do futuro de seus filhos”.

A educação não visa política por causa da decisão deste ou daquele educador, ela é política.

Finalmente a sensibilidade com que Paulo Freire problematiza e toca o educador aponta para a dimensão estética de sua pratica que pode ser vista com alegria seriedade e simplicidade.

A educação como base de transformação social

Introdução

Paulo Freire nos alimenta com intensas analises das possibilidades que detém o sistema educacional e no interior dele, o seu professor, no processo de mudança da sociedade. Inicia o seu trabalho referindo-se a responsabilidade do profissional de educação perante a sociedade em cujo contexto desenvolve suas atividades e de seu compromisso em colaborar com o processo de transformação.

A tarefa formadora do professor “se dá na interioridade das lutas populares, na intimidade dos movimentos sociais de onde se origina, dos quais não pode afastar-se e com os quais precisa aprender sempre”.

Ao considerar fundamental que o professor seja portador de uma sólida formação política tornam-se indispensável o conhecimento da realidade, que é o que permite compreender o que e relevante para ser ensinado e como deve ser feito tendo em vista os fins educativos articulados com uma realidade social concreta.

Precisamente porque nos tornamos seres capazes de observar, comparar, avaliar, escolher, decidir, romper, optar nos fez seres éticos e se abriu para nos a probabilidade de transgredir a ética, jamais poderia aceitar a transgressão como um direito, mas como uma possibilidade e que devemos lutar e não diante da qual cruzar os braços.

É possível negar a natureza política do processo educativo, bem como e impossível à negação do caráter educativo do ato político, isso significa a inexistência de uma educação neutra e a existência de uma pratica política esvaziada de contexto educativo.

A escola da atualidade se encontra ás voltas com a questão da qualidade de ensino, este problema vem preocupando tanto os segmentos populares quanto os setores dominantes.

Os segmentos populares já têm a compreensão de que uma baixa escolaridade reduz significativamente sua oportunidade de emprego e os setores dominantes, nos tempos anteriores temiam aumentar o nível intelectual da população, atualmente em conseqüência da revolução tecnologia, uma vez os meios de produção de que dispõem precisam de mãos de obra cada vez mais qualificada para que se opere de modo eficaz os instrumentos tecnológicos e assim mantém se competitivos no mercado de trabalho.

A escola é uma das instituições mais complexas em nossa sociedade tendo em vista que as forças de dominação, degradação, alunação estão se consolidando em nossa sociedade de maneira precipitante e somente a partir de uma reeducação da humanidade podemos aspirar a dias melhores.

Referencias

Pedagogia da autonomia Freire Paulo, capitulo 3 ensinar é uma especificidade humana editora paz e terra.

Ferreira João Vicente Hadich et al

Fundamentos Sócio-cultural político econômico do processo educativo/João Vicente Hadich Ferreira;Jose Roberto Garcia;Adriana de Fátima Ferreira;Okçana Battini;Adriana Regina de Jesus dos Santos;Fernando Barros Zanluchi;londrina editora unopar

Autor:Marcelo Ricardo Camara Nalin

SALVE ESTA MATÉRIA!

Deixe uma resposta