RESENHA DO LIVRO: O MONGE E O EXECUTIVO

Pesquise na caixa abaixo.

Custom Search


SALVE ESTA MATÉRIA

carregando

Resenha do Livro – O Monge e o Executivo

1 APRESENTAÇÃO

Este trabalho tem por finalidade apresentar o conteúdo e fazer uma apreciação crítica do livro “O Monge e o Executivo: uma história sobre a essência da liderança” de escrito por James C. Hunter.

Trata-se de uma narrativa, que conta a história de Jonh Daily, um notável homem de negócios, que percebe a sua decadência como chefe, marido e pai. Na busca pelo resgate de seu status quo, decide participar de um retiro sobre liderança num mosteiro beneditino, sob o domínio do frade Leonard Hoffman, um influente empresário americano que abdicou de sua posição anterior em detrimento da conquista de novos ideais.

Inicialmente, John Daily e os outros cinco alunos que também com alguns problemas de liderança participam do seminário demonstram uma certa dose de rigidez e ceticismo à filosofia apresentada pelo frade, mas depois chegam à conclusão de que a sua experiência é algo que não se pode desprezar. Uma das características notadas em Hoffman no mundo dos negócios foi a sua capacidade de analisar e reverter empresas que estejam em crise, transformando-as em experiências de grande êxito.

Para o monge, liderança não é sinônimo de poder e sim a autoridade, conquistada com amor, empenho e sacrifício. A história traz implícita a importância da humanização quando das relações no mundo dos negócios e como isso pode ser importante.

A problemática remete ao conceito estereotipado da liderança. Há um paradoxo latente entre o racionalismo e humanismo no mundo dos negócios. A tese central é de que o “servir” é uma característica elementar na consecução dos objetivos pensados para um líder de excelência.

O objetivo principal do texto é trazer conceitos fundamentais e viáveis que podem servir como parâmetro para reavaliar nossa capacidade de liderança e conseqüentemente, auxiliar na inter-relação com os colaboradores, fazendo aforar um clima de grande satisfação na empresa.

O livro é composto de sete capítulos. Sumariamente, o capítulo um apresenta algumas definições imprescindíveis para o entendimento do que é proposto. O capítulo dois trabalha “O velho paradigma”. O capítulo três se dedica a “O modelo”. O quarto discute “O verbo”. O cinco enfoca “O ambiente”. O seis trata “A escolha”. Por último, o capítulo sete discute “A recompensa”. O autor trabalha o tema com coerência e concisão nas idéias.

Nota que, a conclusão mais imediata do tema estudado é de que o sucesso da liderança está diretamente ligado ao aspecto espiritual e psicológico do ser humano e que estes são requisitos indispensáveis na busca sem fim da auto-afirmação pessoal e profissional.

2 OBJETIVO

O objetivo mais aparente deste livro consiste em demonstrar que valores e atitudes são ações contíguas no desenvolvimento da liderança. Para tanto, o autor traz conceitos e definições que visam tão-somente estimular a autocrítica dos leitores, dentro de um visão humanística no âmbito dos negócios. Especificamente, o autor busca:

Enfatizar a importância do trabalho em equipe como estandarte para alcançar o sucesso;
Salientar valores éticos e morais como prerrogativas para o sucesso profissional;
Refletir sobre a arte de liderar;
Propor modelos ideais de re-construção de práticas estilizadas e conservadoras no mundo dos negócios.

3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

O autor lança mão de recursos, em que ilustra e sintetiza o pensamento com uma bela narrativa com muito envolvimento. O conteúdo é disposto em 142 páginas, distribuídas em sete capítulos, onde se trabalha a filosofia proponente. O texto enquadra-se na tipologia de narrativas, com suas nuances pertinentes.

Alguns trechos são trabalhados em forma de parábola, metáforas, no intuito de fazer analogias compreensíveis e acessíveis à diversidade do público-alvo (acadêmicos, empresários, profissionais liberais e aos vários segmentos da sociedade civil interessados no comportamento ideal de um líder de excelência).

Tacitamente, o autor propõe um paradoxo baseado em duas realidades completamente diferentes: a de um executivo e a de um monge. Baseado nisso, busca instigar o leitor a refletir sobre atitudes aparentemente simplistas no ambiente organizacional, mas que se potencializadas, podem surtir efeitos extraordinários.

4 CONTEÚDO

O autor coloca a discussão apresentando conceitos fundamentais para compreensão da dicotomia entre liderança, poder e autoridade. Em linhas gerais, a liderança tem uma conotação carismática, traduzindo-se na “habilidade de influenciar pessoas para trabalharem entusiasticamente visando atingir aos objetivos identificados como sendo para o bem comum” (HUNTER, 2004, p. 25). O conceito de liderança prescinde o individualismo. A concentração de esforços em tarefas tem causado anomalias nos resultados das empresas, por dar margem à baixa produtividade e a crises de relacionamento.

Por outro lado, o poder correlaciona-se com austeridade. O autor define poder como sendo “a faculdade de forçar ou coagir alguém a fazer sua vontade, por causa de sua posição ou força, mesmo que a pessoa preferisse não o fazer” (HUNTER, 2004, p. 26). A autoridade, por sua vez, implica a “habilidade de levar as pessoas a fazer de boa vontade o que você quer por causa de sua influência pessoal” (HUNTER, 2004, p. 26).

Em consonância com os resultados de uma pesquisa realizada junto a várias organizações, o autor exprime que a práxis da dignidade, respeito mútuo e empatia sobrepõe aos aspectos financeiros, que por muito tempo compunham o objetivo precípuo das empresas. Atualmente, àqueles aspectos são vistos como imprescindíveis na dinâmica salutar das empresas.

A mudança de paradigmas motiva a transformação social e das empresas. Um paradigma expressa padrões psicológicos, modelos ou mapas que orientam os objetivos que traçamos para nossas vidas. A mudança de paradigma é o motor da inovação. Quando nossa filosofia é desafiada, somos levados a refletir sobre o status conquistado e a buscar alternativas para lidar com o novo de maneira mais eficiente e eficaz. No entanto, muitas mudanças podem revolucionar o modo de ser e agir das pessoas, gerando perturbações indesejáveis. Possivelmente, essa complexidade é que suscita o comodismo.

O conservadorismo está relacionado a:

Preconceitos, estereotipias, convenções sociais, os quais estão relacionados a crenças e velhas maneiras de enxergar o mundo;
Hierarquização e subordinação aos paradigmas predefinidos pelas elites (chefes);
Inércia, a qual limita as pessoas apenas a dar ordens.
Em oposição a esse comportamento estereotipado, emerge o “Novo modelo”, que contempla aspectos meramente subjetivos, a partir de uma visão multidimensional de interpretar as percepções e potencializa-las. Nesse horizonte, a liderança ultrapassa a fronteira do comando e alcança a noção de “servir”. A consolidação da liderança depende da conjugação de cinco elementos: i) influência; ii) autoridade; iii) serviço e sacrifício; iv) amor, e; v) vontade.

A questão é encontrar um significado plausível para a palavra amor e estabelecer uma aproximação deste conceito com o de liderança. A discussão engendrada leva à conclusão de que o amor é a essência da liderança. O “Amor Ágape” traz consigo: paciência, bondade, humildade, respeito, generosidade, perdão, honestidade e compromisso, que são atributos desejáveis no perfil de um grande líder.

Ademais, um líder deve ser um entusiasta, ético, priorizando condutas idôneas para permanecer firme nos seus propósitos. Caso insista em preservar um comportamento contrário às expectativas que o cercam, certamente será posto à margem do sistema.

O comportamento de um líder tende a influenciar fortemente a conduta de seus seguidores e colaboradores. Mas, sabe-se que administrar o comportamento dos seres humanos é extremamente complexo. O comportamento do ser humano reflete as suas expectativas acerca de algo. Sinteticamente, o comportamento nada mais é que uma escolha.

Um dos atributos intrínsecos ao ser humano é justamente a habilidade de escolher, porque envolve racionalidade. Amiúde, as circunstâncias impedem que as pessoas e os fatos se procedam da maneira que esperamos. Assim, os aspectos subjetivos tornam-se fundamentais para dirimir conflitos e potencializar ações.

O ponto de partida para o alcance da autoridade e liderança começa com a vontade. As vontades são escolhas que fazemos para alinharmos nossas ações às intenções. Inevitavelmente, a consecução dos resultados predefinidos depende de ações compartilhadas.

A experiência tem demonstrado que o egocentrismo limita a conquista do novo. O líder que se propõe a agir com autoridade e influência se defronta com muitas escolhas e sacrifícios. Em contrapartida, as recompensas são gratificantes, na medida em que eleva a auto-estima, contribuindo para reciprocidade de sentimentos e percepções coletivas.

5 CONSIDERAÇÕES PESSOAIS

A globalização vem impondo mudanças de atitudes em todos os segimentos da sociedade. No mundo dos negócios, esse impacto é maior. As empresas têm que se adaptar às constantes mudanças no cenário mundial, para não se tornarem obsoletas. Não obstante a isso, os líderes vêm se defrontando com uma multiplicidade de desafios inéditos na história da humanidade.

Os modelos estereotipados de gestão não estão em consonância com a realidade que impera. Atualmente, as relações de negócio e trabalho são marcadas pela flexibilidade e pelo pragmatismo na tomada de decisões. Nesse sentido, o conhecimento é proeminente na definição de um líder.

Entretanto, o debate em torno da figura do líder que retrate com veemência o paradigma imposto por esta realidade sistêmica é mais complexo, na medida em que exige a conjugação de fatores espirituais, psicológicos e comportamentais. Muitas empresas preteriram o termo gerente pelo de líder de equipe, coordenador do processo, facilitador e outros afins.

Anteriormente, um gerente era aquela pessoa designada a conseguir resultados através de outras pessoas. Pelas suas peculiaridades, este conceito não é representativo da condição de um líder de excelência. A lógica de frisar as diferenças entre chefe e subordinados está defasada. A experiência tem demonstrado que é mais factível conceber o gerente como aquele que imprime resultados com outras pessoas. Assim, torna-se evidente o espírito de equipe e concomitantemente, o resgate de valores éticos e morais, suprimidos pelo capitalismo.

Hunter (2004) foi muito feliz ao abordar um tema singular como este no paradigma da globalização. À primeira vista, esta concepção humanística parece contrariar os objetivos externalizados pelas organizações em sua plenitude. O individualismo é uma característica marcante do capitalismo, mas, muitos líderes têm buscado novos horizontes justamente pelo fato de se sentirem ameaçados pelos concorrentes ou por outros fatores correlatos.

Um ponto que chamou a atenção é que o autor deixa implícito o fato de que o conhecimento não é estanque. A troca de experiências conseguida em um trabalho de equipe é extremamente importante para o acúmulo de conhecimento, sendo este, portanto, o principal ativo das empresas na era da globalização.

O estudo também serve para desmistificar o conceito de chefe e de líder, equivocadamente tratados como sinônimos no ambiente empresarial. O chefe administra coisas, ao passo que o líder trabalha fundamentalmente com pessoas. O rompimento com o status anterior de gestão passa pelo entendimento dessa dicotomia. É mister que as empresas estilizem modelos de gestão baseados na colaboração mútuos, como salvaguarda para a sua consolidação no mercado.

É importante salientar que não existe um modelo definitivo, nem tampouco ideal de um líder. Na verdade, cada qual personifica seus objetivos e são influenciados pelas motivações socioculturais no ambiente organizacional. Mas, o livro deixa claro que a base da liderança é autoridade e não poder como muitos defendem.

Essa ideologia é extremamente válida para instigar a reavaliação de comportamentos retrógrados no mundo dos negócios. Muitas teorias estão ultrapassadas, porque o mercado vem evoluindo gradativamente, exigindo atitudes pragmáticas em tempo real. Uma parcela dos postulados da teoria tradicional não condiz com as tendências atuais. Algumas inferências insurgem como parte integrante de um processo complexo e contínuo. Nesse contexto, assume-se a subjetividade como o núcleo das novas disposições sistêmicas.

Os aspectos subjetivos trazidos para o centro da discussão não implicam necessariamente uma relação de causalidade quando da revitalização e consecução do sucesso profissional. Mas, o dimensionamento destes é de fundamental importância para a construção de padrões de qualidade nas relações interpessoais, tanto no convívio social quanto no contexto empresarial.

E para finalizar, seja a pessoa um executivo, um estudante, deve procurar com muita força buscar interna e externamente uma auto-ajuda, principalmente naqueles que confiamos, e temos realmente como símbolo de sabedoria assim como fez Jonh Daily.

6 GLOSSÁRIO

JINGLE – Pequeno anuncio musicado

CARRILHÃO – Conjunto de sinos (primitivamente quatro) Com que se tocam peças de musicas. Relógio de parede que dá hora por musica.

PRAGMÁTICA – Conjunto de formulas para as cerimônias da corte ou da igreja

PERSSONIFICAÇÃO – Simbolizar exprimir

CATÁRTICO – Relativo a catarse Méd. a Substância que promove evacuação intestinal

CAMPANÁRIO – Parte aberta onde fica os sinos

Fonte:

HUNTER, J. C. O Monge e o Executivo: uma história sobre a essência da liderança. Rio de Janeiro: Sextante, 2004.

Autor: Maria das Graças Dias da Silveira

 

SALVE ESTA MATÉRIA!

Deixe uma resposta