RECICLAR, RECRIAR E TRANSFORMAR PARA PODER BRINCAR NA EDUCAÇÃO

Pesquise na caixa abaixo.

Custom Search


SALVE ESTA MATÉRIA

carregando

Reciclar, Recriar E Transformar Para Poder Brincar Na Educação

INTRODUÇÃO E OBJETIVO

Este artigo salienta a importância da reciclagem e de algumas matérias que jogamos fora na economia e na preservação do meio ambiente. Discutir com classe a necessidade de colocar o lixo no lugar adequado nunca no chão.

Elaborar atividades com matérias recicláveis em trabalhos manuais. Mostra as variedades que podemos fazer mediante as transformações com materiais reaproveitáveis. O ponto chave de todo esse trabalho foi a confecção de brinquedo com estes materiais coletados pelos alunos (peteca, chocalhos feito com copo de iogurte, cavalo de pau, caixa de leite para fazer fantoche, tampinha de garrafa).

Desenvolver, com muita criatividade, um trabalho diário, para a formação de cidadãos conscientes aptos para decidirem e atuarem na realidade sócio-ambiental de um mundo comprometido com a vida, com o bem estar de cada um e da sociedade.

Educação ambiental

O desejo era de fazer algo que pudesse provocar o aprendizado individual e coletivo e estimular o pensamento crítico das crianças por meio de brincadeiras e brinquedos que estimulem a oralidade de cada criança e com isso, aumentando o seu vocabulário. Segundo Souza de Vargas 2002 “O brinquedo é peça fundamental no quebra-cabeça do desenvolvimento infantil, sendo muito difícil excluí-lo deste processo. Em situações de brincadeira, a criança constrói a consciência de realidade, possibilitando um maior entendimento das relações e fatos sociais reais.”

O ato de brincar enriquece a identidade da criança porque ela experimenta outra forma de ser e de pensar; amplia suas concepções sobre as coisas e as pessoas e a faz desempenhar vários papéis sociais ao representar diferentes personagens. Além de aprender brincando, exposições bem organizadas, farão as crianças sentir-se valorizadas, aumentando a auto-estima e reforçando a importância da reciclagem.

Ao ver uma criança brincando com seu lápis como se fosse um carrinho ou um cabo de vassoura que vira um cavalo ilusório a criança expressa o processo maravilhoso do “faz de conta”, pelo qual se envolve num mundo imaginário onde os desejos não realizáveis, podem ser realizados.

Porque não aprendermos a fazer brinquedos a partir de sucatas?

O reconhecimento da transformação de materiais recicláveis remete a criança a um reconhecimento de suas potencialidades criadoras e criativas.

A arte de construir brinquedos usando sucata poderá vir a ser a atividade lúdica que mais resultados poderão fornecer a formação de indivíduos únicos e autênticos, seres preparados para as incertezas de um futuro que logo se aproxima na construção das noções de responsabilidades com o meio ambiente.

Com sucatas podemos confeccionar jogos, brincadeiras atraentes e educativas com baixo custo. É um dos recursos que uso na prática na educação infantil.

Por exemplo, podemos separar os copos de iogurte, papéis de embalagens de bala garrafas de pet e latinhas de refrigerantes.

Para a construção de brinquedos. O brinquedo confeccionado pela criança com sucata além de ajudar a preservar o meio ambiente, possibilita a capacidade que a criança poderá desenvolver no futuro.

É dada a oportunidade a criança para desenvolver a sua criatividade, seu pensamento crítico e aprender em relação ao desperdício (conseqüência do consumo exagerado). É uma maneira simples barata e divertida de educar e ajudar na formação, facilitando na internalização das regras e valores; somente na prática o aluno poderá perceber que é parte integrante e agente, transformador do meio humano, contribuindo para melhorá-lo, além de sentir a importância individual e coletiva na preservação do meio ambiente, como meio de vida e saúde.

“… dizia que para se desenvolver, a criança não devia apenas olhar e escutar, mas agir e produzir sobre a natureza. Ele considerava que o trabalho manual, os jogos e os brinquedos tinham uma função educativa básica. No seu trabalho docente, Froebel colocava em prática a “teoria do valor educativo do brinquedo e do jogo”

(Arce Alessandra. Pg 60)

Crianças de 02 anos de idade participativas e curiosas em continuo processo de desenvolvimento e descobrimento do seu mundo; “… o brinquedo fornece a estrutura básica para as mudanças das necessidades da consciência…” que “… a cultura forma a inteligência e a brincadeira favorece a criação de situações imaginárias e reorganiza experiências vividas” VYGOTSKI(1987, página 112, 1988). É também o caminho que abre as portas para a entrada da cultura e condiciona o saber a um fazer. Aprendizado esse que começa com brincadeiras em que se aprende a criar significações, a comunicar-se com outros, a tomar decisões, decodificar regras, expressar a linguagem e socializar.

Este artigo além de caráter educativo pode ser visto também como uma mola propulsora para o desenvolvimento cognitivo e a socialização a ação de cada criança. Mostrando os problemas com a grande produção de lixo. Ensinando que tudo se transforma e tudo pode ser reaproveitado.

A simplicidade do material é proposital, uma vez que a proposta é criar sem nenhuma pretensão. Mesmo que elas as alcance.

“Quando partilhamos com a criança a reinvenção de um brinquedo, estamos também levando-a descobrir o encanto nas coisas simples e recicláveis. Isso é muito mais que uma nova forma de brincar: a criação de brinquedos com sucata é uma proposta de mudança na forma de ver as coisas, é um convite para uma pequena aventura. Aventura que expõe as potencialidades da criança, afeta suas emoções, põe à prova suas aptidões e testa seus limites. O ato de criar brinquedos com materiais recicláveis de diferentes naturezas permite à criança descobrir as diferentes propriedades e características do lixo. E aqui o erro é parte importante do processo de descoberta. O brinquedo, em especial é concebido como suporte da brincadeira o objeto torna-se brinquedo quando assume uma função lúdica, ou seja, quando a criança reveste esse objeto de um significado que é sempre social, podendo agregar arte, educação, cultura e cidadania.”

(SOUZA DE VARGAS, 2002; GILLES BIROUGÉRE, 1994)

Adaptar-se ao meio

Atualmente, grande parte das crianças não tem contato direto com a natureza, já nascendo na era da poluição e acabam por achá-la natural. Não preservando o que não conhece.  Logo, há essa necessidade, de aproximá-las à natureza.

O professor deve mostrar que para adquirir consciência sobre as questões ambientais, os alunos terão de se envolver em um aprendizado constante, pois as transformações naturais também ocorrem de maneira continuada.

Criação de objetos recicláveis com os país

Conscientizar a comunidade é tão importante quanto conscientizar aos seus alunos. Se a família participa e inclui em seus hábitos atitudes de preservação corretas. Para isso, realizam exposições com os brinquedos; criar gincanas ambientais; convidar os pais para o dia da reciclagem do papel, confecção de artesanatos com sementes; para que pais e filhos juntos criem brinquedos; na homenagem do dia do meio-ambiente oferecem lembranças recicladas; entre outras atitudes, demonstrará o comprometimento real da escola com a educação ambiental.

CONCLUSÃO

Atuação foi o de sensibilizar e valorizar tudo aquilo que temos, e pode ser reaproveitada de uma forma consciente e divertida. Na educação, desenvolvendo ações e a participação de toda a comunidade escolar.

Além de conscientizar sobre o consumo exagerado, e todo benefício do lixo reciclado, procurando construir novas maneiras de ver e sentir o meio ambiente.

BIBLIOGRAFIA

SOUZA, DE VARGAS INGOBERT; Programa Sócio Educativo: “Oficina de Contação de História e Construção de brinquedos de Brinquedos Usando Sucata. Em: . Acesso em 19 mar 2010.

VIGOTSKY, LEV; A formação social da mente. ed. Martins Fontes, 1991.

Perfil do Autor: Greise Nunes Aguiar
Formanda em Pedagógia, Faculdade Ulbra de Canoas
Cidade natal: Cuiabá-MT
Profissão: Professora de Educação Infantil

SALVE ESTA MATÉRIA!

Deixe uma resposta