JOGOS DE REGRAS NO DESENVOLVIMENTO SOCIAL DA CRIANÇA

Pesquise na caixa abaixo.

Custom Search


SALVE ESTA MATÉRIA

carregando

Jogos de Regras no Desenvolvimento Social da Criança

O Jogo é a forma através do qual a criança entra em contato com o mundo, com a sociedade com ela mesma. Através do jogo a criança se apresenta como realmente é, e se sente diante e dentro do meio em que se encontra. Dentro dos vários tipos de jogos existentes temos os jogos de regras que contribuem par o desenvolvimento social da criança, fazendo com que ela tenha uma melhor adaptação as mudanças que ocorrem durante sua vida, pois, neste tipo de jogo as regras se transformam a todo momento,dependendo da necessidade e criatividade de seus jogadores.

Segundo Piaget (citado por Negrini,1994) os jogos podem ser classificados em jogos de exercícios(sendo motores), simbólicos e de regras. Nos jogos de exercício, que compreende a fase do nascimento até o surgimento da linguagem, o objetivo é o prazer do funcionamento, o simples divertimento; os jogos simbólicos que vão do aparecimento da linguagem até os 6-7 anos, são aqueles em que surge o símbolo, que possibilita á criança “criar” sua realidade utilizando para isso a imaginação. Aqui a criança procura se auto-afirmar. E os jogos de regras, que iniciam aos 6-7 anos, são aqueles que surgem elementos que vão reger comportamento e as atitudes nos jogos, sendo que as regras têm origem nas relações sociais e individuais que a criança recebe ou já recebeu.

A regra surge para a criança como uma forma de afirmação do seu eu, a submissão dela à regra social é um dos meios que o eu utiliza para se realizar, sendo assim a regra se mostra como instrumento da personalidade, é a ordem colocada em nossos atos (CHATEAU,1987). As regras do jogo podem ser transmitidas, as que passam de geração em geração e as espontâneas, criadas na hora do jogo, sendo por isso mais fácil de serem esquecidas. Já nas regras transmitidas a criança copia regras que dirigem se comportamento, como por exemplo brincar de escolinha, de motorista, de mãe, de vendedora. O modelo funciona como a regra do jogo. Nas regras espontâneas a criança, segundo Chateau(1987)

Manifesta sua vontade pela permanência de seu ato, como por exemplo andar sobre a calçada. Ela não se deixa vencer pelas dificuldades. Ela afirma o seu ato, proclama o valor de sua personalidade. Enquanto brinca se afirma através da obediência a lei que ela mesma se submeteu. (p.64)

Vygotsky (apud Friedman, 1996) afirma que a criança ao brincar torna real o que imagina e que não há atividade lúdica sem regras, a diferença é que nos jogos as regras não precisam e não são expostas explicitamente. Este autor acredita que o respeito, da criança, as regras é uma fonte de prazer e permite à criança fazer parte da realidade.

Liontiev (apud Friedman, 1996) menciona um fato interessante, a idéia de que a  criança, por meio dos jogos de regras,  começa a se auto- avaliar segundo suas próprias ações, comparando-as com as de outras crianças.

Os jogos de regras possibilitam na criança o desenvolvimento do pensamento abstrato, porque são introduzidos no jogo novos significados, simbólicos e ações. Nessa fase a criança adquire autonomia, pois ela cria, recria as regras do seu jogo; ela toma decisões que possibilitam o desenvolvimento cognitivo diante de diversas situações. A regra coletiva começa a ser introduzida e interiorizada pela criança. Ela aprende que existem regras a serem seguidas dentro da sociedade e que se não forem cumpridas constitui falta e quem a desrespeitou terá que arcar com as conseqüências de sua escolha sendo punido por tal ato.

A criança, através dos jogos de regras já tem uma certa noção da vida em sociedade o que contribui para o seu desenvolvimento social e para a formação de um adulto que sabe que tem regras a seguir, e que se adapta mais facilmente a elas e que quando não se sente á vontade, satisfeito com as regras, tanto do jogo como da vida em sociedade ou até mesmo individual, busca uma transformação para sentir prazer em suas ações. É o que ocorre no jogo, quando em grupo, por exemplo, as crianças brincam, e a todo momento mudam as regras do jogo e o próprio jogo. Negrine (1994) afirma que:

(…) a criança joga de muitas coisas em um determinado espaço de temp. Pode-se dizer que a criança em uma situação de jogo inferior a trinta minutos, chega a representar, pelo menos três papéis diferentes (…). A medida que muda-se o jogo, muda a representação, e com ela as emoções em um processo muito dinâmico.(p.87)

Segundo Chateau (1987) no mundo adulto não há lugar para o jogo, pois a sociedade impõe regras rígidas, imutáveis, o que torna a criança e o adulto, em seus passivos e dependentes de regras pré-estabelecidas pelo meio exterior, sendo contra esta tirania, estes dogmas fixados que a criança quando se tornar adolescente irá lutar e buscar transformá-la.

Através dos jogos de regras a criança aprende a respeitar as pessoas e o meio em que vive. Ela tem maior interação, com ela mesma, com os outros e sua afetividade, que consiste em amor, raiva, ódio, alegria, insegurança, tristeza, irá influenciar em suas escolhas. A motivação também é uma área afetiva que pode fazer com que a criança se esforce ou não na realização de alguma tarefa, sendo seu desenvolvimento afetivo prejudicado caso esteja com algum bloqueio nessa área. Enquanto educadores, devemos detectar o problema e as aflições que impedem o bom desenvolvimento do aluno utilizando atividades lúdicas para reverter esta situação.

As regras externas, quando associadas as internas levam a uma supressão de benefícios em proveito de uma relação recíproca de confiança e respeito com o adulto e com outras crianças o qual leva a autonomia, que é alcançada graças a cooperação (KAMIL apud FRIEDMAN, 1996). O desenvolvimento moral nas crianças a partir dos jogos de regras pode ser alcançado através do trabalho em grupo, destacando-se aqui os jogos cooperativos*, que proporcionam à criança a percepção de que em um grupo, em uma sociedade, todos dependem uns dos outros, que há a necessidade de se montar estratégias para se chegar a um objetivo, porém todos devem se ajudar mutuamente já que o grupo é quem decide as regras do jogo.

Os jogos de regras possuem características que vão acompanhar o indivíduo até sua fase adulta, onde vivenciará mais explicitamente a concepção de regras. Com esses jogos a criança desenvolve aspectos cognitivos; tem a atenção, o senso de responsabilidade e criticidade despertados; adquirem noções de sociedade, regras, torna-se mais interagida socialmente, terá suas escolhas afetadas por sentimentos como raiva, ódio, alegria, além de relacionar as regras internas as externas e desenvolvendo aspectos morais como autonomia e cooperação, sendo de extrema importância que o educador integre a criança na sociedade de forma lúdica, dinâmica e completa através da interação desta com o meio físico, social, cultural, afetivo, entre outros , promovendo o desenvolvimento dessa criança e para uma futura sociedade que prime pela democracia, justiça e cooperação.

REFERÊNCIAS

CHATEAU, Jean: O jogo e a criança- São Paulo- Summus, 1987.

FRIEDMAN, Adriana: Brincar, crescer e aprender: O resgate do jogo infantil- São Paulo, Moderna, 1996.

NEGRINI, Airton- Aprendizagem e desenvolvimento infantil V-1- Porto Alegre: Prodil,1994.

NEGRINI, Airton- Aprendizagem e desenvolvimento infantil V-2- Porto Alegre: Prodil,1994.

Autora: Katria Araujo

SALVE ESTA MATÉRIA!

Deixe uma resposta