A TEORIA DE PIAGET

Custom Search


Metodologia Piagetina

Para Orly Mantovani a criança deve encontrar na escola um ambiente onde haja estímulos que favoreçam seu desenvolvimento harmônico nos aspectos físico, sócio-emocional e intelectual.

A metodologia proposta por Orly sugere atividades em que o sujeito interaja continuamente com o mundo externo, resolvendo problemas através de trabalho em grupo e atendimento individual, jogos simbólicos, etc.

Situações ricas em estímulo são propostas para que a criança sinta curiosidade, haja sobre a realidade, estruturando, assim, seus conhecimentos de forma que as estruturas mentais deste estágio possam ser construídas.

A adaptação social é feita através da linguagem. Esta é usada como vínculo entre criança/mundo externo (físico, social…), apesar da linguagem não constituir fator essencial na representação do pensamento, pois durante a inteligência sensória-motora, o sujeito estabelece uma lógica de coordenação das ações.

A formação do pensamento em termos de representação conceitual é construída paralelamente com a aquisição da linguagem, porém estes dois processos são ligados à função semiótica.

Através da exploração ativa dos objetos do ambiente escolar, a criança (com ajuda da professora) descobre conceitos e noções.

A professora promove situações em que o conhecimento físico, lógico-matemático e conceitual sejam vivenciados para que ocorra a troca de esquemas mentais.


União Perfeita

Piaget preocupa-se com as modificações das estruturas cognitivas; Orly elaborou situações de perturbações ambientais para facilitar o processo de equilibração.

O vocabulário usado pela professora que segue tal metodologia corresponde ao vocabulário usado no método clínico.

Partindo da afirmativa de Jean Piaget que existe ligação entre as funções cognitiva/afetiva, a metodologia propõe atividades de cooperação, motivação e ações que favoreçam as modificações intelectuais, sociais e afetivas.

Favorecer o desenvolvimento global da criança implica também em dar-lhe oportunidade de representar, pois através do jogo simbólico a criança reforça as categorias de espaço, tempo, causalidade e constância de objetos. Este tipo de atividade ajuda a criança a livrar-se do egocentrismo característico deste estágio e tornar-se menos dispersa.

Segundo Piaget, a criança pré-operatória tem o pensamento independente da linguagem. Cabe então à professora estabelecer diálogos que levem a criança a unir o pensamento e a linguagem.

Durante o período pré-operatório a criança não é capaz de generalizar ou diferenciar deveres, regras e ordem. Assim as atividades escolares e rotineiras devem ser elaboradas em grupo e ter sentido de aplicabilidade.

As atividades propostas para o desenvolvimento da metodologia Piagetiana de Educação Pré-Escolar visam não somente fornecer à criança situações em que possam ser trabalhadas as noções de conservação, classificação e seriação, mas também conceitos morais e sociais, autoconceito e desenvolvimento motor de forma integrada para que o processo de equilibração ocorra concomitante até que ocorra o que Piaget chama de “estrutura de conjunto”, fazendo com que o sujeito vença as dificuldades deste estágio e passe para o estágio posterior.

Piaget tem como centro de seus estudos científicos a investigação experimental das estruturas intelectuais e a formação das funções e conteúdos da inteligência. Os conceitos básicos de sua teoria baseiam-se pela descrição assimilação/adaptação/acomodação.

As etapas do desenvolvimento obedecem à sucessão de estágios através da equilibração, que é o resultado das trocas do sujeito com o meio.

Assim Piaget divide estes períodos:

- Sensório-motor: 0 a 2 anos

A inteligência é construída através do movimento e ação pelo processo de ensaio e erro.

- Pré-operatório: 2 a 7 anos (aparecimento da linguagem) a criança apresenta pensamento simbólico, ou seja, capacidade de representar algo que tenha significado, contudo, não têm condições de classificar, seriar, ou ter a capacidade de reversibilidade. Têm uma visão egocêntrica do mundo. Neste período ela começa a dominar problemas de inclusão de classes.

- Operatório concreto – 7 a 12 anos: a criança tem mais conexão de suas idéias e é capaz de justificá-las. O pensamento, nesta fase, afasta-se da realidade, substituindo os objetivos ausentes por representações mentais, desde que eqüivalham ao real.

- Operatório-formal – (adolescência) fase do pensamento hipotético-dedutivo, onde o indivíduo tem a capacidade de raciocinar a partir de hipóteses. Piaget não fez muitas referências a este período.

Trabalho de alunas do 5º período de pedagogia

SALVE ESTA MATÉRIA!

Deixe uma resposta