A CRIANÇA E O CONCEITO DE MUNDO

Pesquise na caixa abaixo.

Custom Search


AGUARDE O CARREGAMENTO COMPLETO

E

SALVE ESTA MATÉRIA

carregando

A Criança e o Conceito de Mundo

A Educação Infantil marca a entrada da criança no primeiro grupo social externo à família. Nos primeiros anos de vida, o contato com o mundo permite a  criança construir conhecimentos práticos sobre seu entorno, relacionando a sua capacidade de perceber a existência de objetos, seres, formas, cores, sons, odores, de movimentar-se nos espaços e de manipular os objetos.

A indagação sobre o ambiente contribui para a formação de crianças cada vez mais curiosas, observadoras, que se perguntam sobre sua realidade, buscam informações e respostas, imaginam soluções, formulam explicações, expressam opiniões, interpretações e concepções de mundo, confrontando seu modo de pensar com os de outras crianças e adultos, e relacionando seus conhecimentos e idéias a contextos mais amplos.

O mundo em que vivemos é rico em possibilidades de exploração, por isso devemos apresentar sempre a relidade concreta para a criança entender melhor o seu mundo, o seu espaço, a sua história, reconhecendo a natureza como provedora de bens para a nossa sobrevivência na terra. A criança constrói o seu viver a partir de valores advindos de sua família e dos grupos que lhes são próximos.

As ciências são importantes porque  levam o aluno a desenvolver a capacidade de observação e pesquisa e o raciocínio científico, despertam a consciência sobre a importância da preservação do meio ambiente e do respeito à natureza, mostram o homem como parte do universo e como indivíduo, permitem o estudo da vida, o desenvolvimento da auto-estima e o respeito ao próprio corpo e ao dos outros, contribuem para a compreensão e a valorização dos modos de intervir na natureza e de utilizar seus recursos e para a compreensão dos recursos tecnológicos que realizam essas mediações, auxiliam no entendimento da saúde como um valor pessoal e social e na compreensão da sexualidade humana sem preconceitos, propiciam a reflexão sobre questões éticas implícitas nas relações entre ciência, sociedade e tecnologia.

O contato com a natureza é de fundamental importância para as crianças, e o professor deve oferecer oportunidades diversas para que elas possam descobrir sua riqueza e beleza. Fazer passeios por parques e locais de área verde, manter contato com pequenos animais, pesquisar em livvros e fotografias a diversidade da flora e da fauna, principalmente brasileira, são algumas das formas de se promover o interesse e a valorização da natureza pela criança.

Os momentos de jogo e de brincadeira devem se constituir em atividades permanentes nas quais as crianças poderão estar em contato também com temas relacionados ao mundo social e natural.

A criança constrói o seu viver a partir de valores advindos de sua família e dos grupos que lhe são próximos. A criança adquire e desenvolve noções sobre o conceito de natureza e sociedade à medida que entra em interação com o mundo. Nesse processo, ela se relaciona com o mundo a sua volta, percebendo-o não apenas como um mundo repleto de cor e forma, mas como um mundo dotado de sentido e significado.( CALLAI, 2002).

A natureza e sociedade devem ser consideradas como objetos de estudos a serem compreendidos pelas crianças, cuja mediação pedagógica depende do desejo do professor em elaborar estratégias de ensino e aprendizagens, para que as crianças cresçam na vivência de valores, com isto as crianças aprendem a gostar de si próprias e do outro, a viver juntos, a respeitar as diferentes formas de vida existentes no planeta Terra e a preservar o meio ambiente.

A questão ambiental está em alta por uma razão simples: necessidade de sobrevivência. Quanto mais cedo o tema for abordado com as crianças, maiores as chances de despertar a consciência pela preservação. Por isso, a educação para uma vida sustentável deve começar já na pré-escola. O objetivo definido pelo Referencial Curricular Nacional é observar e explorar o meio ambiente com curiosidade, percebendo-se como ser integrante, dependente, transformador e, acima de tudo, que tem atitudes de conservação.

Precisamos buscar crianças cada vez mais autônomas,com possibilidades de trabalhar cooperativamente, de coordenar outros pontos de vista ao seu, de modo a formar cidadãos críticos, responsáveis, ativos, capazes de integrar-se criativamente à sociedade da qual fazem parte. A história de sua própria vida vai remetê-la ao entendimento de que todos possuem uma história. O reconhecimento do espaço que ocupa vai fazê-la perceber que existem outros espaços ocupados por pessoas diferentes.

Referências:

PELLEGRINI, Denise, Nova Escola, n. 148, dez. 2001. Disponível em: <http://novaescola.abril.com.br/ed/148_dez01/html/ciencias.htm>. Acesso em: 29 setembro.2007.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a educação Infantil; pg 204. Brasilia:MEC/SEF, 1998. 3v.

APOSTILA DE PEDAGOGIA Mod. IV, Fundamnetos e Metodologias do Ensino da Natureza e Sociedade, pg 64,  2007.

Autora:

Janete Pertile Ott
Graduada em Pedagogia
Pós-Graduanda em MBA Gestão de Pessoas

SALVE ESTA MATÉRIA!

Deixe uma resposta